The news is by your side.

MP nega pedido de Pedro Taques e pede seguimento de ação contra ele

Da Redação

 

Ministério Público de Mato Grosso rebateu os argumentos da defesa do ex-governador Pedro Taques (SD) que conseguiu suspender temporariamente a ação civil do caso, conhecido como grampolândia pantaneira, em que o político se tornou réu por participação no esquema de interceptações clandestinas.

O promotor Reinaldo Rodrigues de Oliveira Filho, do Ministério Público do Estado (MPMT), manifestou em ação movida pelo ex-governador Pedro Taques (SD), no âmbito do processo sobre a “Grampolândia Pantaneira”, e negou que houve cerceamento de defesa, pedindo para que a Justiça siga com a ação contra o ex-gestor por improbidade administrativa.

Taques impetrou embargos de declaração alegando que não teve acesso a uma perícia feita no celular do tenente coronel PM Henrique Soares e, por isso, não teve a chance de montar a melhor defesa para o caso das escutas telefônicas ilegais.

A juíza Célia Regina Vidotti acatou o recurso e abriu prazo para o MPMT se manifestar sobre o destino da prova.

Em sua manifestação, o promotor afirma que o conteúdo da perícia feita no celular do militar não tem qualquer relação com a “Grampolândia”. “No caso em testilha, salvo melhor juízo, tendo em vista que o documento solicitado pelo embargante em nada guarda relação com o objeto desta demanda cível, não há que se conjecturar cerceamento de defesa diante do não acesso a prova”, escreveu.

A ação

Além de Taques, também figuram entre os acionados: o ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, os coronéis da Polícia Militar Zaqueu Barbosa, Evandro Lesco e Airton Siqueira, bem como do cabo da PM, Gerson Luiz Ferreira Correia Júnior.

O processo é oriundo das informações obtidas na ação penal, em que Gerson, Lesco e outros integrantes da PM responderam pelas interceptações telefônicas clandestinas.

O esquema veio à tona publicamente em maio 2015, quando o programa Fantástico, da TV Globo, noticiou a existência de grampos clandestinos que monitoraram, ilegalmente, 125 terminais telefônicos de agentes políticos, advogados, jornalistas e outros. Porém, a “arapongagem” estava em pleno vigor desde agosto de 2014.

Os indícios, de acordo com promotor de Justiça e com as declarações feitas pelos militares réus da ação penal, levam a crer que o principal beneficiário do esquema espúrio foi o então governador Pedro Taques.

No mérito, o MPE requereu a condenação deles ao pagamento de dano moral coletivo e às sanções previstas pela Lei de Improbidade Administrativa.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação