The news is by your side.

Semenejkara: quem foi o faraó mais misterioso do Egito?

 

O período de Amarna foi provavelmente um dos mais fascinantes e misteriosos dos 3.000 anos que compõem o Egito Antigo. A poderosa civilização sofreu uma ruptura sem precedentes, quando o faraó Akhenaton decidiu transgredir de forma radical, convertendo o deus Aton na única divindade do culto oficial do Estado, em detrimento do, até agora, culto predominante de Amon.

Essa mudança, destinada em parte a centrar o poder em torno da figura do próprio faraó, teve grandes consequências e discrepâncias na sociedade da época, e foi o primeiro vislumbre do monoteísmo em uma civilização marcadamente politeísta. Além de ser o primeiro reformador religioso de que há registro histórico, seu reinado também envolveu grandes mudanças políticas e até artísticas.

Mas a figura de Akhenaton, que alguns chegaram a comparar a Moisés, se perde no tempo. Condenado ao Damnatio Memoriae, um dos piores castigos a que um morto pode ser submetido, ele desaparece e seu nome só é ouvido novamente quando o faraó mais famoso de todos os tempos aparece em cena (embora não por mérito próprio): seu filho, Tutancâmon. Entre os dois reinados (Tutancâmon acabou com todas as mudanças introduzidas por seu pai e devolveu o culto a Amon), surge uma figura curiosa que continua a fascinar os arqueólogos devido ao seu mistério: Semenejkara.

Muito pouco ou praticamente nada se sabe sobre Semenejkara. O breve e enigmático faraó poderia ser, talvez, uma mistura de vários ou mesmo nunca ter existido. Transformado em co-regente de Akhenaton, foi seu sucessor por um período breve e indeterminado. Acredita-se que ele escreveu a um sacerdote de Amon pedindo para ser enterrado no Vale dos Reis em vez de Amarna. Também se considera que ele era casado com Meritatón, a primeira filha de Akhenaton, e que seu corpo poderia ser o de uma múmia desconhecida de cerca de 25 anos e encontrada perto da tumba de Tutancâmon. E, inclusive, considera-se que poderia ter sido uma mulher. Os rastros de Semenejkara e sua possível esposa desaparecem repentinamente, com o reinado de Tutancâmon.

Que teorias existem sobre a identidade do faraó fantasmagórico?

Teoria 1: Um irmão de Akhenaton

Uma teoria (talvez a menos fantasiosa, mas não a mais real) é que Semenejkara era simplesmente um irmão (ou meio-irmão) de Akhenaton. Filho do rei Amenhotep III e uma de suas grandes esposas reais, ele pode ter governado após a misteriosa morte do faraó herege. Ele teria, portanto, sido tio de Tutancâmon, reinando por um curto período de tempo até que seu sobrinho estivesse finalmente pronto para isso.

No entanto, ainda há algumas pontas soltas na história: Semenejkara herdaria os títulos de Nefertiti (esposa de Akhenaton) e o hieróglifo oficial o chama de ‘O Amado de Akhenaton’. Alguns especialistas queriam ver uma relação homossexual entre Akhenaton e aquele que seria seu sucessor, mas nada está claro e certamente é surpreendente que ele tenha herdado os títulos de sua suposta cunhada. Para aumentar ainda mais o mistério, ainda há um corpo encontrado no Vale dos Reis que ainda não foi identificado: a múmia KV55.

Um homem entre 20 e 30 anos (dependendo dos estudos), com a mesma tez e tipo sanguíneo de Tutancâmon, enterrado muito perto dele, e em cuja câmara funerária podem ser encontradas referências a todas aquelas pessoas cruciais durante o período de Amarna. Os selos das portas traziam o nome de Tutancâmon e há representações da mãe de Akhenaton e dele mesmo. Não há consenso se seria o faraó herege (mais de 35 anos quando morreu) ou o próprio Semenejkara, talvez mais jovem. Tudo isso assumindo que o misterioso governante era um homem, porque isso nos leva à segunda teoria.

Teoria 2: Nefertiti

O que aconteceu com Nefertiti após a morte de Akhenaton? Por que Semenejkara herdou seus títulos? Na verdade, é um mistério. Após 14 anos de reinado, seu rastro está completamente perdido. A princípio, acreditava-se que ela teria morrido antes do marido e que ele, destroçado pela dor, teria apagado sua memória. No entanto, há cada vez mais especialistas que defendem que não só ela não morreu, mas que ela sobreviveu ao faraó e era ela quem governaria, mas com o nome de Semenejkara. Sua co-regência seria muito curta (no final da vida de Akhenaton e apenas por mais alguns meses), até a chegada do chamado faraó criança.

É uma teoria muito controversa, porque Semenejkara não teria sido, como sempre se pensou, um homem, mas Nefertiti se transformou em rainha-faraó para garantir o trono contra seus inimigos, e até que Tutancâmon pudesse finalmente reinar. Não seria a primeira vez na história do Egito que uma mulher reinaria: por exemplo, anos antes, a fascinante Hatshepsut também o teria feito.

Mas talvez o mais controverso seja que existe uma ideia oficial de que Semenejkara foi casada com Meritatón, a filha mais velha de Nefertiti e Akhenatón. Isso significa que Nefertiti se casou com sua própria filha para garantir o trono do Egito? Alguns consideram isso uma possibilidade. Não faz muito sentido mãe e filha se casarem ritualmente, mas acredita-se que Nefertiti, não sendo filha de faraós ou de linhagem real, só poderia legitimar seu papel dessa forma simbólica.

Como Semenejkara, Nefertiti de repente desaparece da história. Alguns optam por acreditar que, após a morte de Akhenaton, ela teria pedido um príncipe hitita em casamento, sendo, depois de descoberta, eliminada. Com o desaparecimento do faraó herege, parece fácil supor que o resto das figuras que giravam em torno dele também sofreram um amargo fim. Nefertiti desaparece, assim como qualquer escrita sobre ela, Meritatón torna-se Grande Esposa Real e chega Semenejkara.

As coisas não iriam muito melhor depois. O oficial egípcio Ay se tornaria governante do Egito após a morte de Tutancâmon, e aqueles que vieram depois se encarregaram de apagar da história o rastro de seu pai: aquele homem que ousou mudar a ordem do país através do primeiro culto história monoteísta. Apenas milhares de anos depois eles viriam à tona novamente por causa de uma suposta maldição. O mistério sobre todos eles ainda permanece.

“Que seu espírito viva, por milhões de anos, você que amou Tebas, sentado com o rosto para o vento norte, os olhos cheios de felicidade.” Isso, escrito para Tutancâmon, poderia realmente ser um epitáfio para qualquer uma dessas figuras que estrelaram a era Amarna.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação