The news is by your side.

TJ dá 5 dias para Estado explicar lei que proíbe passaporte da vacina em MT

Da Redação

A presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Maria Helena Póvoas, deu cinco dias para que o governador Mauro Mendes (UB) explique sobre a Lei Estadual n° 11.685/2022, que proíbe a exigência de comprovantes de vacinação contra a covid-19 para entrada em estabelecimentos públicos e privados no estado.

A lei foi aprovada pela Assembleia Legislativa em fevereiro e sancionada pelo governador na última segunda-feira (14). Entretanto, segundo o procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira, ela é inconstitucional.

Antônio Borges argumentou que a lei “interfere indevidamente nas atribuições da Secretaria de Estado de Saúde, ferindo de morte o princípio da separação de poderes”.

O procurador ainda destacou que o Supremo Tribunal Federal já se manifestou favorável à vacinação compulsória e à restrição do acesso a determinados lugares às pessoas que não se vacinarem contra a covid.

“A aplicação de sanções indiretas, que consistem, na maioria dos casos, em se proibir que a pessoa não vacinada exerça determinadas atividades ou frequente determinados locais, desde que cumpridos os requisitos fixados pelo STF no julgado supramencionado, é meio adequado para se fazer cumprir o múnus público de combate à pandemia do Coronavírus”, alegou.

Por isso, o MPE pediu uma liminar que suspenda os efeitos da lei, até que o caso seja analisado no mérito e a inconstitucionalidade seja declarada.

Antes de decidir sobre o pedido liminar, então, a magistrada pediu manifestação do Estado.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação