The news is by your side.

A Rússia não está tão isolada quanto Washington quer que você acredite

 

Alguns formuladores de políticas e especialistas dos EUA estão declarando que a Rússia – e sua população – estão isoladas do resto do mundo. Por exemplo, a cientista política Nina Khrushcheva declarou que “a Rússia é odiada pelo resto do mundo” e que “a Rússia é o inimigo global”. O New York Times conclui que a Rússia é agora “um pária econômico” e que uma “nova cortina de ferro” está caindo.

Não há dúvida de que as sanções impostas pelas nações ocidentais ricas terão um impacto negativo no regime russo, na economia russa e no povo russo. Os russos comuns, que atualmente desfrutam de um PIB (produto interno bruto) per capita que é apenas uma fração do tamanho de muitos países ocidentais, sofrerão muito.

Mas quando se trata do grau de isolamento da Rússia, aqueles que se gabam de a Rússia ser “cortada” estão exagerando. Na verdade, muitos dos maiores países do mundo mostraram relutância em participar dos esquemas de sanções dos EUA e, em vez disso, adotaram uma abordagem muito mais comedida. Enquanto China, Índia e outros grandes estados continuarem a ser pelo menos parcialmente simpáticos a Moscou, eles fornecerão um grande mercado para os recursos naturais da Rússia e suas outras exportações. E essas nações sinalizaram que ainda não estão cortando a Rússia.

Além disso, se os EUA vão exigir que o mundo se adeque às sanções dos EUA, isso significa que os EUA terão que impor sua política às nações relutantes. Em última análise, isso significa que os EUA precisarão ameaçar – ou, em alguns casos, implementar – sanções secundárias destinadas a punir nações que também não sancionam a Rússia. Os efeitos de longo prazo da construção de um bloco global anti-Rússia coagido podem custar caro para Washington e, de qualquer forma, os pronunciamentos de uma nova cortina de ferro caindo ao redor da Rússia parecem prematuros.

Trinta e cinco Estados-Membros da ONU — representando metade da população mundial — abstiveram-se

Para os americanos que assistem ao noticiário na TV, sem dúvida parece que o mundo inteiro se uniu por trás de uma campanha de justiça moral liderada pelos americanos contra os russos. Em grande parte do mundo real, no entanto, as coisas parecem um pouco diferentes. Anthony Faiola e Lesley Wroughton resumiram a situação no Washington Post na semana passada:

Muitos países do mundo em desenvolvimento, incluindo alguns dos aliados mais próximos da Rússia, estão inquietos com a violação da soberania ucraniana por Putin. No entanto, os gigantes do Sul Global – incluindo Índia, Brasil e África do Sul – estão protegendo suas apostas enquanto a China ainda apoia Putin publicamente. Até a Turquia, membro da OTAN, está agindo tímida, movendo-se para fechar os estreitos de Bósforo e Dardanelos a todos os navios de guerra, não apenas aos russos.

Assim como os espectadores ocidentais muitas vezes dão de ombros para conflitos distantes no Oriente Médio e na África, alguns cidadãos de economias emergentes estão olhando para a Ucrânia e se vendo sem um cachorro nessa luta – e com interesses nacionais convincentes para não alienar a Rússia. Em uma ampla faixa do mundo em desenvolvimento, os pontos de discussão do Kremlin estão se infiltrando nas principais notícias e nas mídias sociais. Mas avaliações ainda mais comedidas retratam a Ucrânia não como a batalha real entre o bem e o mal sendo testemunhada pelo Ocidente, mas um cabo de guerra maquiavélico entre Washington e Moscou.

Enquanto isso, James Pindell no Boston Globe conclui,

Possivelmente perdido em todas as manchetes [sobre o mundo inteiro estar unido contra a Rússia] é que não é o mundo inteiro contra a Rússia. Na verdade, a maioria dos três grandes continentes — Ásia, África e América do Sul — ainda está trabalhando com a Rússia ou tentando projetar a imagem de neutralidade.

É fácil ver por que tantos chegam a conclusões erradas, no entanto. Muitos dos que se gabam de um mundo unido contra a Rússia muitas vezes extrapolam o fato de que a maioria dos regimes do mundo votou a favor de uma recente resolução das Nações Unidas condenando a invasão russa da Ucrânia. De fato, 141 estados membros da ONU votaram no início deste mês para condenar a Rússia pela invasão . Apenas cinco estados, incluindo a Rússia, votaram contra a medida. A partir disso, supõe-se que praticamente todo o mundo condenou a Rússia e também está entusiasmado com as sanções dos EUA.

No entanto, trinta e cinco estados optaram por se abster da votação condenando a Rússia, e muitos desses estados que se abstiveram são realmente estados muito grandes – são aqueles grandes estados do Sul Global mencionados por Faiola e Wroughton.

De fato, os estados que se abstiveram na votação da ONU ou votaram contra ela contêm mais da metade – 53% – da população mundial. Entre os estados que se abstiveram estão a China e outros trinta e três estados que juntos contêm mais de 3,9 bilhões dos 7,7 bilhões de pessoas do mundo. Se combinarmos os não votantes com os estados que se abstêm, isso adiciona mais duzentos milhões de pessoas ao bloco de estados que se recusam a condenar a invasão da Ucrânia.

Muitos ex-estados soviéticos estão no bloco não votando para condenar a Rússia, assim como todos os grandes estados do sul da Ásia – Paquistão, Índia e Bangladesh. A África também parece se encaixar bem na região que aparentemente conclui que “não tem cachorro nessa luta”. Quase um terço dos regimes de África – dezasseis estados – abstiveram-se na votação da ONU. O Iraque – um país que os Estados Unidos gastaram vinte anos e trilhões de dólares tentando (sem sucesso) transformar em um estado cliente dos EUA – também votou pela abstenção.

Claro, como um regime vota na Assembleia Geral da ONU não nos diz muito sobre as opiniões do homem na rua em cada país. Mas deve-se notar que – por mais chocante que isso possa parecer para os americanos – bilhões de pessoas no mundo não concordam automaticamente com o que o governo dos EUA diz sobre quem o mundo deveria odiar em um determinado momento. De qualquer forma, o homem da rua não faz política. Se um terço dos regimes na África, na maior parte do sul da Ásia, mais China e Vietnã estão se recusando a condenar até mesmo a invasão da Ucrânia, isso não fala exatamente com um mundo que está fazendo fila para obedecer às sanções lideradas pelos EUA e “isolar” a Rússia.

É certo que olhar para a população vai exagerar a influência geopolítica desses dissidentes, e a população nos dá uma visão limitada do tamanho das economias desses estados. Isso posto, verificamos, no entanto, que o bloco econômico dos abstêmios não é exatamente negligenciável. Além disso, mesmo entre os países que votaram com os EUA na resolução da ONU, houve falta de entusiasmo pelas sanções lideradas pelos americanos.

Tanto o México quanto o Brasil, por exemplo, votaram a favor da resolução da ONU, mas também sinalizaram que não estão interessados ​​em impor sanções severas à Rússia. O presidente do México declarou que não tem intenção de seguir a liderança dos EUA nas sanções. O regime da Argentina está resistindo às sanções e afirmou acreditar que as sanções são contrárias ao processo de paz. Brasil, Chile, Uruguai e outros estados latino-americanos estão tentando furar as exigências de sanção dos EUA.

Quando se trata da África, Pindell observa:

Do outro lado do oceano, nenhum país da África, incluindo a África do Sul, se juntou ao apelo para tornar a Rússia uma exceção nas relações globais. Alguns se isso tem a ver com os laços militares russos com certas nações, ou o fato de que algumas nações africanas não sentem a necessidade de entrar nas relações europeias após séculos de imperialismo e colonização europeus.

Então, qual parte da economia global provavelmente manterá laços com Moscou durante esse suposto período de isolamento? Bem, olhando para uma amostra limitada de resistentes às sanções – ou seja, Rússia, Índia, China, Brasil e México – descobrimos que esse “bloco” combinado representa um terço do PIB global (China e Índia, é claro, compõem a maior parte disto). Isso é semelhante às economias combinadas dos EUA e da UE.

Era uma vez, é claro, ser cortado dos EUA e da Europa deixaria qualquer pária com apenas uma pequena fatia do mercado global. Em 1990, por exemplo, os Estados Unidos e a UE juntos representavam mais de 40% da economia global, enquanto China, Índia, México, Rússia e Brasil somavam apenas 18%.

Mas as coisas mudaram nos últimos trinta anos, e os dois blocos agora são iguais.

Para usar um termo antigo da Guerra Fria, tudo isso deixa um terço da economia global “não alinhada”. Como vimos, grande parte da África, Ásia e até da América Latina não estão convencidos de que precisam cortar o comércio com a Rússia.

Poderíamos ser ainda mais conservadores na medição da força econômica fora do bloco EUA-UE. Nenhuma análise da influência econômica geopolítica está completa sem considerar o papel da riqueza total.

E é aqui que os EUA e seus aliados mais próximos parecem mais poderosos. Afinal, de acordo com o Credit Suisse, 30% da riqueza do mundo é riqueza americana, com a riqueza chinesa chegando a cerca de 18% da riqueza global. A riqueza da Europa Ocidental também é imensa, com Reino Unido, França, Itália, Espanha e Alemanha chegando a um total combinado de 16%. Então, sim, o bloco China-Índia-Rússia representa apenas um quinto da riqueza global, enquanto os EUA e a Europa Ocidental juntos detêm quase metade da riqueza global.

Mas isso também deixa quase metade da riqueza do mundo em lugares que não podem ser dados como garantidos no que diz respeito às sanções dos EUA.

A grande questão agora é como Washington responderá a outros países que se recusam a embarcar na onda das sanções. Se os EUA decidirem se contentar em “enviar uma mensagem” com sanções e deixar por isso mesmo, então os EUA terão pouco com que se preocupar em manter boas relações com parceiros comerciais e parceiros geopolíticos. Mesmo as relações com a China continuariam em grande parte normalmente. Mas está ficando claro que a maioria dos regimes do mundo não planeja lançar voluntariamente a Rússia nas trevas exteriores. Isso significa que se os EUA quiserem realmente isolar a Rússia, Washington terá que ameaçar e coagir outros regimes que não concordam com isso.

Os EUA então se colocam na posição de gastar valioso capital geopolítico para coagir potenciais parceiros como Índia, Paquistão e México a seguir a linha das sanções. Resta saber até onde os EUA estão dispostos a ir. Se isso for all-in, prejudicaria as relações com os aliados e isso poderia acabar limitando a posição geopolítica dos EUA. Isso, é claro, é exatamente o que Moscou e Pequim adorariam ver.

Ryan McMaken é editor sênior do Mises Institute. É bacharel em economia e mestre em políticas públicas e relações internacionais pela Universidade do Colorado. É autor de  Commie Cowboys: The Bourgeoisie and the Nation-State in the Western Genre .

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação