The news is by your side.

Por que os dirigíveis desapareceram?

Da Redação

Aeronaves que ficam no ar com ajuda do hélio, que ficam no céu, que praticamente permitem que você viva lá em cima. Algo assim já existiu. Entre as décadas de 1900 e 1930  os dirigíveis eram uma opção presente, a primeira ideia de voo de longa duração passível de ser controlado.

Você vai se lembrar deles por imagens, fotos, ilustrações, a fotografia ocasional, no entanto, é apenas parte de um imaginário que, hoje, é mais irreal do que qualquer outra coisa. Parece que não conseguimos entender como esses enormes dispositivos poderiam ser colocados nas cabeças de nossos ancestrais. Não faz muito tempo, pensávamos, e muito tempo atrás, pensávamos também. A história do dirigível tornou-se um borrão, uma lacuna no ar. O que exatamente aconteceu com eles?

O pesquisador Martin L. Levitt, da American Philosophical Society, explicou há duas décadas que, no início da Primeira Guerra Mundial, as pessoas já haviam começado a pilotar aviões movidos a hidrogênio, mas essas pessoas não conheciam os perigos do gás altamente explosivo. “O hélio surgiu como uma alternativa em 1917, quando se descobriu que os campos de gás natural em Petrolia, Texas, continham quantidades significativas de gás, e os pesquisadores desenvolveram um método para extraí-lo”, diz Livia Gershon em Jstor.

O primeiro dirigível naval inflado com hélio voou em 1921, tornando-se rapidamente uma ótima escolha de arma para futuras guerras. “Os estrategistas navais americanos fizeram planos para usá-los para explorar e patrulhar os mares”. O país norte-americano tinha um grande número de reservas desse gás, nada poderia dar errado… Ou sim.

O plano da indústria naval

Durante as primeiras décadas do século XX, o governo americano sentiu como se tivesse doces em suas mãos, uma estrela do plano B, capaz de cobrir as estrelas, melhor dito: sempre havia novas razões para manter suas reservas de hélio, mas não foi o único país. “Os projetistas alemães estavam desenvolvendo aeronaves impressionantes (alimentadas a hidrogênio) que o público em geral do país adotou como símbolo de orgulho nacional”.

Fonte: Wikipédia

Em 1925, entrou em vigor uma lei para proibir sua exportação, mas em uma década a Marinha mudou de ideia: oficiais navais determinaram que a exportação de hélio permitiria que projetistas de aeronaves em países como Grã-Bretanha e Alemanha desenvolvessem melhorias que também beneficiariam os americanos.

Como Levitt detalha, “operações de aeronaves bem-sucedidas só poderiam refletir positivamente na Alemanha e, com todo o simbolismo associado, forneceriam combustível para a fábrica de propaganda nazista”.

Uma explosão quase final

Pretensões e planos foram truncados um para o outro em 1937. Em Nova Jersey, uma grande explosão abalou tudo. Era o Hindenburg, um zepelim carregado de hidrogênio. Em questão de meses, explica o historiador, o Congresso autorizou a venda de hélio a operadores estrangeiros de aeronaves civis com rotas para os Estados Unidos. Mas o secretário do Interior Harold Ickes, preocupado com a agressão militar alemã, bloqueou as exportações de hélio que poderiam ser desviadas para uso militar.

Fonte: Wikipédia

Imediatamente depois, desmantelou sua indústria aeronáutica, concentrando-se na construção de aviões de combate. Os Estados Unidos implantaram mais de 160 aeronaves ao longo da Segunda Guerra Mundial para missões anti-submarino, detecção de minas e resgate aéreo e marítimo. A crença naquele aparelho que se sustentava sem ar, teve seu fim envolto nas cinzas da guerra.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação