The news is by your side.

A curiosa história do tesouro de Príamo

Imagine que quando criança você era tão obcecado por uma história, uma daquelas lendas típicas de contos de fadas que todos sabem que são mentiras, mas você decidiu provar que todos estavam errados. Essa é a incrível história de Heinrich Schliemann, que de alguma forma revolucionou a arqueologia em seu tempo e descobriu o que ninguém acreditava que pudesse existir.

Como se costuma dizer, Schliemann, nascido em 1822 na Alemanha (na época Prússia), recebeu um exemplar da Ilíada de presente quando era muito jovem e ficou obcecado por ela. Ele não teve uma infância feliz: seu pai bebia e sua mãe havia morrido de complicações na gravidez, mas pelo menos se refugiou nas histórias dos grandes heróis antigos, a ponto de considerar que essas lendas poderiam ser histórias verdadeiras.

Como relatou em sua própria biografia, embora praticamente não tivesse tempo de ir ao Ginásio por problemas financeiros, as histórias de Homero o acompanharam por boa parte de sua juventude e marcaram seu destino: “Nunca deixei de orar a Deus para que me concedesse a graça de poder aprender grego um dia”.

Heinrich Schliemann. (mídia Wiki)

No entanto, um acidente quando ele estava viajando para a Venezuela foi o que realmente mudou sua vida. Seu navio naufragou na costa da Holanda e ele foi parar em Amsterdã onde, quase por acaso, acabou trabalhando em um escritório comercial. Isso o levou a estudar línguas, o que o interessava desde criança. Metade do salário era gasto aprendendo inglês, espanhol, francês, português, russo, italiano, grego e árabe, mas também grego antigo e latim.

Sua astúcia e conhecimento o levaram a se tornar um comerciante independente e aos 30 anos já possuía uma grande fortuna. Aos 32 anos, viajou para a Califórnia, onde fundou um banco para o comércio de ouro. Ele também comprou um canavial em Cuba. Sua curiosidade o fazia viajar constantemente, e quando estava em Londres passava grande parte do tempo olhando antiguidades egípcias.

Uma viagem a Pompeia foi o que o fez lembrar de todas aquelas histórias dos livros de sua infância. Ele começou a se perguntar se todas aquelas histórias que as pessoas pensavam ser apenas lendas poderiam realmente ter alguma verdade, e ele também se lembrou das discussões que costumava ter com seu pai quando criança: ele achava que um incêndio não deveria ter acabado completamente com Tróia, mas que poderia ter sucumbido à simples passagem do tempo sem que a mão humana tivesse que agir no processo. Isso deu esperança.

Schliemann sempre acreditou que as histórias da Guerra de Tróia não eram meros mitos.

Em 1868 viajou pela primeira vez à Grécia, visitando Ítaca e contratando alguns homens para realizar pequenas escavações, baseando-se em outros relatos como os de Heródoto ou Xenofonte. Ele também esteve em Micenas e nos Dardanelos, e até andou a cavalo pela planície de Tróia. Convencido de que os poemas de Homero descreviam uma realidade histórica, ele empreendeu expedições na Grécia e na Ásia Menor para encontrar os lugares neles descritos. Em 1870 começou a escavar as ruínas de Tróia.

Nos anos que se seguiram, ele descobriu o que pareciam ser três cidades sobrepostas e escavou a colina Hissarlik no que era então o Império Otomano. Embora tenha causado alguma destruição arqueológica em sua necessidade de descobrir algo, ele finalmente encontrou um achado incrível: um pote de cobre com uma coleção de joias e metais preciosos. Era 31 de maio de 1873 e a descoberta foi feita a uma profundidade de oito metros e meio. Eles haviam encontrado o Tesouro de Príamo.

É chamado assim porque Schliemann atribuiu as peças encontradas ao rei Príamo de Tróia, um rei mítico durante a guerra, que quando jovem lutou contra as amazonas. Muito provavelmente, essa atribuição foi feita justamente pelo desejo do alemão de encontrar evidências de que a história homérica era real, de fato, durante suas descobertas ele declarou que uma das cidades encontradas era a Tróia de Homero (primeira Tróia I e depois chamada Tróia II).

O problema é que o tesouro foi encontrado no que deveria ser Tróia II, e Príamo teria vivido em Tróia VI aproximadamente, centenas de anos depois. De fato, em sua ilusão de combinar o tesouro com os sonhos de sua infância, ele atribuiu uma máscara ao próprio Agamenon, embora testes posteriores mostrassem que ela era datada de alguns séculos antes da época em que o herói da Ilíada supostamente existiu.

A chamada 'máscara de Agamenon'.

O tesouro contém mais de 9.000 peças de ouro. Um escudo de bronze, um caldeirão de cobre, uma garrafa de papagaio esculpida, várias taças de terracota, pontas de lança e machados de cobre, punhais de cobre, anéis, um grande jarro de prata contendo dois diademas de ouro (no qual era chamado de ‘joias de Helena’)… tornou-se a maior descoberta do século XIX. Com as jóias ele adornou sua esposa, Sofía, e segundo o que disseram, foi ela quem recolheu o tesouro com um xale após sua descoberta, por medo de que pudesse ser danificado.

Embora Schliemann tenha tido dificuldade em retirar o incrível tesouro da Turquia, que exigia 50% dele conforme exigido pelo direito internacional, ele conseguiu fazê-lo. Ele o transferiu para a Grécia, sem informar as autoridades turcas, que o reclamaram e o caso foi levado aos tribunais gregos. Em 1874, foi aprovado o veredito de que Schliemann deveria pagar dez mil francos de ouro ao museu de Constantinopla.

Não só pagou essa quantia, mas mais quarenta mil francos e, embora guardasse o tesouro, deu algumas peças ao museu. Depois disso, ele prometeu que deixaria o tesouro para a Grécia em troca de possuir, enquanto vivesse, todos os achados de todos os lugares onde obteve permissão para escavar, mas as autoridades gregas rejeitaram a proposta.

Sofia, esposa de Schliemann, com uma parte do tesouro.

Em 1879 ele doou o tesouro para a Alemanha e durante a captura de Berlim na Segunda Guerra Mundial foi perdido. Por muito tempo, acreditou-se que havia desaparecido para sempre, até que em 1993 foi descoberto que estava no Museu Pushkin em Moscou, onde havia sido levado como espólio após a guerra.

Mas então, de quem é o tesouro realmente?

Há um certo truque no Tesouro de Príamo, não porque seja uma falsificação, longe disso, mas Schliemann tentou associar a história das 10.000 peças de ouro encontradas em uma única sepultura, como pertencentes ao rei Príamo. Na realidade, eles não foram encontrados em uma única tumba, mas sim espalhados por vários túmulos encontrados fora da muralha de Tróia.

Parte do tesouro.

De acordo com um artigo publicado no El País em 1993, a descoberta de Schliemann não só tentou mostrar que a Guerra de Tróia existia, mas também provocou uma nova guerra confrontando russos, alemães, gregos e turcos, todos eles com alguma razão para reivindicar isto. Ele permanece no museu Pushkin, e a Rússia deixou claro que pertence a ele como compensação pelas perdas causadas pelos nazistas.

Talvez Schliemann tenha se equivocado ao atribuir o tesouro a quem conviveu com Paris, Helena e os demais protagonistas da história de Homero. Até hoje, não se conhece a civilização (ou civilizações, já que as joias não foram encontradas em um único enxoval) que possuía um tesouro tão impressionante, e sabe-se apenas que se desenvolveu na área 1.000 anos antes dos eventos descritos na Ilíada. Isso não significa que o alemão não estava certo em suas investigações: escavações posteriores no local mostraram a existência de nove cidades sobrepostas ao longo dos séculos no mesmo local.

Isso significa que, até hoje, a chamada Tróia VII é a principal candidata a ser a cidade que Virgílio menciona na Eneida, fundação de Heleno após a Guerra de Tróia na terra dos Caônios, à imagem de sua terra natal, Tróia. Portanto, os sonhos juvenis de Schliemann e todas as suas quimeras não foram equivocadas e, embora sua fórmula arqueológica não fosse a clássica, permitiu-lhe descobrir segredos incríveis enterrados pela passagem do tempo. Na sua última grande viagem, no seu ‘regresso a Ítaca’, foi sepultado num mausoléu na Grécia, a seu pedido. Um friso narra suas próprias escavações. Como Ulisses, o herói havia retornado ao seu verdadeiro lar.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação