The news is by your side.

Dachau: quando o trabalho não nos libertou

 

O campo de concentração nazista de Dachau estava localizado a 13 quilômetros a noroeste de Munique, na Baviera. O campo foi construído em uma antiga fábrica de pólvora abandonada, concluído em 21 de março de 1933 e inaugurado no dia seguinte. Na entrada podia-se ler: Arbeit macht frei (O trabalho te libertará). No início era um campo de trabalho, que evoluiu para um campo de extermínio. Esteve ativo de 22 de março de 1933 a 29 de abril de 1945 e foi comandado por Theodor Eicke. Eicke, junto com Michael Lippert, assassinou o chefe da organização paramilitar nazista SA – Stuemabtellung – Ernst Röhn, durante o Nach der lange messer (Noite das Facas Longas). Eicke era um déspota desumano com os prisioneiros de Dachau.

No início, comunistas, social-democratas e opositores políticos do regime nazista foram presos lá. Evoluiu na escolha dos presos e também abrigou Testemunhas de Jeová, ciganos, homossexuais, antissociais e criminosos comuns. Depois da Kristallnacht  (Noite dos Vidros Quebrados) cerca de 10.000 judeus foram internados em Dachau. A maioria foi liberada dentro de algumas semanas.

Com toda essa mão de obra, em 1937, decidiu-se ampliá-la com novas construções. As obras terminaram em agosto de 1938. O campo foi dividido em 2 seções. Havia a área de campo e a área dos crematórios. O do campo consistia em 32 quartéis, com uma área para padres antinazistas e outra para experimentos médicos. Outros prédios abrigavam cozinha, lavanderia, chuveiros e oficina. O pátio entre a prisão e a cozinha era usado para a execução sumária de prisioneiros. O campo foi delimitado por cercas elétricas, valas e um muro com 7 torres de vigia.

Imagem do portão do campo de concentração de Dachau com a inscrição "Arbeit macht frei" ("O trabalho liberta").

A seção de crematórios foi construída em 1942. Havia dois módulos de crematório e uma câmara de gás. Muitos dos prisioneiros considerados inaptos para o trabalho foram enviados para o centro de eutanásia Hartheim, em Linz. No que diz respeito às experiências médicas, foram realizados testes com câmaras de descompressão, malária e tuberculose, hipotermia e novos medicamentos testados. Os prisioneiros também tentaram métodos para tornar a água do mar potável e estancar o sangramento excessivo.

No total, mais de 200.000 prisioneiros, de 30 nacionalidades, passaram por Dachau. Destes, 41.500 foram mortos. Milhares de outros morreram como resultado das terríveis condições de vida. O campo foi libertado em 29 de abril de 1945 pela 20ª Divisão Blindada e pela 45ª Divisão de Infantaria do Sétimo Exército dos Estados Unidos. Antes da libertação do campo havia 67.665 prisioneiros. Destes, 43.350 eram presos políticos e 22.100 judeus. Em 26 de abril, 7.000 prisioneiros foram levados em uma marcha da morte de Dachau a Tegernsee. Quase todos morreram. Ao se aproximar do campo de concentração, as tropas norte-americanas encontraram 30 vagões cheios de corpos, em avançado estado de decomposição.

Entre as pessoas que estiveram em Dachau, devemos destacar os líderes religiosos Karl Leirner, Titus Brandsma, Martin Niemöller, Josef Kentenich ou Petris Mangold. A família real da Baviera, os duques Maximiliano e Ernesto de Hohenberg Chotek (filhos do arquiduque Francisco Fernando da Áustria, cujo ataque a Sarajevo desencadeou a Primeira Guerra Mundial), o príncipe Luís Fernando da Prússia e o pretendente ao trono da Espanha Francisco Javier de Borbón-Parma.

O pastor luterano Martin Niemöller tornou famoso um trecho de um sermão que proferiu na Semana Santa de 1946 em Kaiserslautern. Este fragmento foi intitulado como Quando os nazistas vieram para os comunistas: “Quando os nazistas vieram para tirar os comunistas, eu fiquei calado, pois não era comunista. Quando os sociais-democratas foram presos, fiquei calado, pois não era social-democrata. Quando vieram buscar os sindicalistas, não protestei, porque não era sindicalista. Quando vieram levar os judeus, não protestei, pois não era judeu. Quando eles vieram atrás de mim, não havia mais ninguém que pudesse protestar”.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação