The news is by your side.

Barroso prorroga por 60 dias investigação sobre conduta de Bolsonaro na pandemia

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso determinou, na quarta-feira (3), a prorrogação por 60 dias da apuração sobre a conduta do presidente Jair Bolsonaro (PL) e de aliados do governo por possível incitação ao crime. As investigações foram abertas após o relatório final da CPI da Covid no Senado Federal.

A decisão atende a um pedido da Polícia Federal e teve aval da PGR (Procuradoria-Geral da República).

Além de Bolsonaro, estão entre os alvos da investigação o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), os deputados Eduardo Bolsonaro (PL-SP), Osmar Terra (MDB-RS), Carlos Jordy (PL-RJ), Onyx Lorenzoni (PL-RS), o líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), e as deputadas Carla Zambelli (PL-SP) e Bia Kicis (PL-DF).

“Defiro o pedido de prorrogação do prazo para continuidade das investigações, por mais 60 dias, nos termos formulados pela Procuradoria-Geral da República. Com relação ao acesso aos arquivos produzidos pela CPI, verifico que tais arquivos já foram compartilhados neste feito pelo Senado em atenção a requerimento da Procuradoria-Geral da República”, diz o despacho do ministro.

No relatório da CPI, os senadores pediram o indiciamento de Bolsonaro por adotar uma “postura de omissão” no combate à pandemia e incentivar o chamado “tratamento precoce”.

O texto, elaborado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirma ainda que as condutas do presidente “colocaram a saúde das pessoas em risco, uma vez que contribuíram para o rápido incremento da contaminação pelo coronavírus, pelo surgimento de nova cepa do vírus e pelo aumento do índice de ocupação dos leitos hospitalares e, consequentemente, para a morte de milhares de brasileiros”.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação