The news is by your side.

Nininho se pronuncia sobre condenação: “Indignação e perplexidade”

A defesa do deputado estadual Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), anunciou que vai recorrer da sentença que condenou o parlamentar a 8 anos de prisão por fraudes na obra de uma escola infantil no município Itiquira (357 km de Cuiabá), que teve Nininho como prefeito até 2008.

O parlamentar disse que recebeu a notícia da sentença condenatória assinada pelo juiz Victor de Carvalho Saboya Albuquerque, da 1ª Vara Federal de Rondonópolis, com “indignação e perplexidade” e pretende denunciá-lo na corregedoria do Poder Judiciário e no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Segundo a defesa do deputado, o juiz federal age com “um peso e duas medidas”, pois no bojo de outra ação por improbidade contra Nininho o mesmo magistrado entendeu tratar-se de “abtratas irregularidades” e que ainda assim ele recorreu da sentença.

Naquele processo na seara cível, de acordo com Nininho, a sentença ficou “limitada na aplicação de uma multa ilegítima por infração a princípios administrativos tidos genericamente como violados”.

Os efeitos da nova sentença assinada pelo juiz Victor de Carvalho também se aplicam à ex-tesoureira da Prefeitura de Itiquira, Odeci Terezinha e o empresário Denilson de Oliveira Graciano, dono da empresa responsável pela obra da escola, a Produtiva Construção Civil Ltda.  Nininho e os demais condenados também foram proibidos de firmarem contratos com o poder público pelo prazo de cinco anos. Todos podem recorrer em liberdade.

A propositura da ação pelo Ministério Público Federal (MPF) foi motivada pela prática de ato de improbidade administrativa durante a execução de um convênio de R$ 707 mil assinado em 2007 entre o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e o Município de Itiquira para a construção de uma escola infantil. O contrato firmado entre a Prefeitura de Itiquira e a empreiteira responsável pela obra foi no valor de R$ 933,8 mil, sem prévia dotação orçamentária.

A Controladoria Geral da União (CGU) apontou em um relatório irregularidades na execução do convênio que envolvem o pagamento sem o atesto da execução e por serviços não realizados. Segundo a CGU, também ocorreu a movimentação financeira irregular, e divergências entre o Projeto Básico do FNDE e o Projeto que balizou a proposta de preços e a planilha de custos da empresa contratada, sem anuência do órgão concedente.

Segundo o MPF, Nininho enquanto prefeito autorizou o contrato com a empreiteira “afrontando a legislação orçamentária, incorrendo no crime previsto no artigo 359-C do Código Penal e causando prejuízo ao interesse público, uma vez que a obra ficou paralisada por anos até que se conseguisse a complementação do valor do convênio, o que somente se deu quando do sexto termo aditivo, em 08.08.2012”.

Por sua vez, o deputado informa em nota que a sentença do juiz federal traz uma insegurança  jurídica não incluída na sua tarefa de julgar. Além, disso, segundo Nininho, a decisão também promove uma descrença dele perante a sociedade. “Como agente político conhecido por minha atuação e integridade, ocorrências que me levarão a responder perante o Conselho Nacional de Justiça e perante a Procuradoria Geral da República. Acredito na Justiça e na razoabilidade de quem sabe julgar, confiando na reforma dessa estranha condenação, da qual terei pleno conhecimento assim que dela regularmente notificado, adotando, a partir de então, as medidas judiciais próprias para restabelecer a verdade dos fatos e para coibir os abusos de autoridade praticados”, diz trecho do comunicado.

Nota

Deputado Nininho recebe decisão judicial com indignação e perplexidade

Recebi com indignação e perplexidade a notícia da minha condenação assinada pelo juiz da 1ª Vara Federal de Rondonópolis no processo nº 732-10.2019.4.01.3602, da qual eu e nem a defesa técnica temos pleno conhecimento, pois ainda não fomos intimados. Sobre os fatos que o juiz entendeu por bem em acolher, esclareço que se trata de uma obra iniciada no último ano da minha gestão, enquanto prefeito do município de Itiquira-MT, cuja obra somente foi concluída e entregue nas gestões posteriores, quando eu não estava mais prefeito. Era uma obra com recursos do Governo Federal, via FNDE, para a construção de Escola Infantil, que atualmente está em pleno funcionamento e é tida como escola modelo no município.

A acusação refere-se a dois pagamentos a empresa responsável pela obra e durante a execução, na vigência do convênio, que foi inclusive aditado nas gestões posteriores. Tem-se alegado que esses pagamentos seriam irregulares porque o engenheiro da prefeitura não teria colocado um visto ou atesto nessas medições provisórias, compreendendo a 4ª e 5ª medições, por existir um descompasso entre os pagamentos/cronograma financeiro e a execução física da obra. Foi um mero erro material, já sanado, e possível de assim ser esclarecido até a conclusão da obra, segundo atestou e recomendou a própria Controladoria-Geral da União (CGU).

Ocorre que, além da regularidade desses pagamentos, sempre precedidos de nota fiscal e recolhimento de imposto, houve, no decorrer da obra, adequação entre esses cronogramas físico e financeiro, sendo que a escola foi devidamente concluída e entregue no ano de 2015, estando desde então em perfeito funcionamento, sendo prestadas as contas finais do convênio, inclusive com a restituição de parte dos recursos ao ente convenente (FNDE).

Nesse cenário e como consta do processo, não houve nenhum ilícito, muito menos prejuízo ao erário, ou enriquecimento próprio ou a terceiros relacionado ou com origem no mencionado convênio, porque executada a obra, e em valor menor do que os recursos destinados, cujo saldo ou verba remanescente, de aproximadamente R$ 120.000,00, foi devidamente restituída ao Governo Federal.

Se o crime que o juízo entendeu como existente reclama, para a sua ocorrência, a existência do prejuízo ao erário e, necessariamente, o dolo do agente público/político, não há como sustentar a assinada condenação ante a incontestável ausência de prejuízo e dolo da minha conduta.

A propósito, esclareço que fui parte passiva pelos mesmos fatos em ação de improbidade administrativa, processo nº 0005232-32.2013.4.01.3602, onde apreendido pelo mesmo julgador apenas e abstratas irregularidades, cuja sentença, impugnada por recurso já admitido e a mercê de ser reformada, afastou a existência de qualquer prejuízo ao erário ou enriquecimento, enquanto agente político, o que se infere de sua parte dispositiva, limitada na aplicação de uma multa ilegítima por infração a princípios administrativos tidos genericamente como violados.

Com um peso e duas medidas adotados pelo Juiz Victor de Carvalho Saboya Albuquerque,  além de trazer uma insegurança jurídica não incluída na sua tarefa de julgar, promove uma descrença de minha pessoa perante a sociedade, como agente político conhecido por minha atuação e integridade, ocorrências que me levarão a responder perante o Conselho Nacional de Justiça e perante a Procuradoria Geral da República. Acredito na Justiça e na razoabilidade de quem sabe julgar, confiando na reforma dessa estranha condenação, da qual terei pleno conhecimento assim que dela regularmente notificado, adotando, a partir de então, as medidas judiciais próprias para restabelecer a verdade dos fatos e para coibir os abusos de autoridade praticados.

Atenciosamente,

Ondanir Bortolini

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação