The news is by your side.

“Isso é coisa de quem não entende de educação”, Dispara deputado

O deputado Allan Kardec (PDT), presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), declarou que o edital anunciado pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT) no último dia 27 de outubro contém itens que precisam ser revistos e esclarecidos, entre eles a possibilidade de exoneração dos profissionais que não atingirem a média de 6 pontos nas avaliações semestrais. “Isso é coisa de quem não entende de educação”, declarou.

Allan foi convocado pelo governador em exercício, Otaviano Pivetta, juntamente a outros cinco parlamentares do Estado, para participar de uma reunião e discutir o assunto na manhã desta quarta-feira (3).

O deputado ressaltou ainda que o governo não pode descartar o sistema de contagem de pontos dos profissionais de Educação para fazer um processo seletivo como se fosse um concurso.

“Nós temos instalado no governo há mais de 20 anos o sistema da contagem de pontos. Às vezes, ele tem suas dificuldades, mas a gente não pode simplesmente descartar a contagem de pontos gratuita feita pelos próprios profissionais da Educação e passar para uma empresa que faz um seletivo que cobre o Estado. O Estado paga para essa empresa vir e ela cobra daqueles que irão participar. Pela primeira vez, depois de mais de 20 anos, o professor paga para fazer contagem de pontos na escola. Ele vai pagar para participar de um teste seletivo, o que deveria ser gratuito, na minha opinião”, disse, nesta manhã.

O deputado ainda criticou a contratação por polos e afirmou que o ideal seria levar em consideração a proximidade do professor com a comunidade a que ele já está habituado.

“O edital saiu por polo, o que significa que todos os professores de Barão de Melgaço podem ser de Cuiabá. Na minha opinião o professor bom é o professor do bairro. Escola boa é a escola do bairro. Eu tenho que qualificar meu professor. Eu tenho que melhorar a minha escola. Essa história de fazer seletivo como se fosse concurso, a gente tem que prestar muita atenção e colocar outros conteúdos junto. Por exemplo, se você empatou comigo, quem é que vai? Outra situação, o tempo de serviço na escola não conta mais. A assiduidade, pontualidade e a proficiência do professor com seu aluno não contam mais”, finalizou.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação