The news is by your side.

SISMA identifica irregularidades em processos seletivos da SES/MT

 

O Sindicato dos Servidores da Saúde de Mato Grosso (SISMA/MT) entrou com medidas jurídicas contra o Governo do Estado, referente a abertura de processos seletivos simplificados para preenchimento de cargos na área da Saúde do Estado, sem a devida realização de concurso público, em total descumprimento ao que foi estabelecido no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) nº 001/2019 firmado com o Ministério Público em (27.05.2019).

O SISMA encaminhou ainda ofícios ao Ministério Público e aos deputados estaduais sugerindo que tomem medidas que visem interrupção da realização do processo seletivo e que se faça cumprir o TAC e consequentemente a realização do Concurso Público na Saúde.

O comunicado de processo seletivo disponibilizou na última sexta-feira, dia 12. 949 vagas de contratações temporárias, sendo 790 vagas ao Hospital Metropolitano de Várzea Grande e 159 vagas ao Hospital Regional, em Rondonópolis. O edital pecou ainda no que diz respeito ao prazo de inscrição e seletiva, disponibilizando apenas cinco dias, sendo apenas dois dias úteis, o que impossibilitou a participação de outros candidatos que não possuem acesso à publicação dos atos administrativos do Estado do MT.

O SISMA entende que o “COMUNICADO” fere diversos princípios constitucionais que devem ser observados em qualquer ato administrativo, entre eles o da publicidade tendo em visto que o ato administrativo não foi publicado no Diário Oficial do Estado do MT ou em qualquer outro meio de amplo acesso a qualquer cidadão que tenha interesse em participar do processo seletivo. O da razoabilidade, pois o prazo de inscrição não se demonstrou razoável foi fixado entre os dias 12 e 16 de novembro, ou seja, as inscrições foram realizadas durante o final de semana e feriado, impossibilitando que o público em geral tivesse acesso à informação. Sendo assim o Sindicato adotou todas as medidas judiciais cabíveis, além dos ofícios encaminhados ao Ministério Público e deputados estaduais, da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso.

 “Nós impetramos medidas judiciais para reverter esse processo que apresenta vícios insanáveis”, ressaltou a presidente do SISMA, Carmen Machado

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação