The news is by your side.

A liberdade é cancelada quando o sapo se acostuma com água quente

 

Um conto popular diz que, quando um sapo é colocado em um recipiente com água quente, ele imediatamente pula fora. Contudo, caso o mesmo anfíbio esteja em um objeto com o líquido em temperatura ambiente, fica confortável durante todo o tempo em que a água é aquecida gradativamente. O problema é que, quando ela ferve, causa sua morte.

Essa historieta reproduz a dinâmica institucional que temos visto em relação à liberdade no mundo contemporâneo, com o caso venezuelano sendo um dos melhores exemplos. Isso porque, durante a Guerra Fria, golpes de Estado foram responsáveis por quase três em cada quatro colapsos democráticos. O levantamento é dos professores de Ciência Política da Universidade de Harvard e autores de Como as Democracias Morrem Steven Levitsky e Daniel Ziblatt. Foi dessa forma que sistemas políticos democráticos colapsaram no século XX em países como Argentina, Brasil, Chile, Gana, Grécia, Guatemala, Nigéria, Paquistão, Peru, República Dominicana, Tailândia, Turquia e Uruguai. Nesses casos, tudo ocorreu em um único grande ato, de forma espetacular e por meio da coerção de forças militares.

Todavia, a maioria dos recessos democráticos ocorridos após a Guerra Fria foram marcados pela morte da liberdade, não pelas mãos de generais, mas de líderes eleitos que subvertem o próprio processo que os levou ao poder. Comumente isso ocorre de forma gradativa e pouco visível, em um fenômeno denominado regressão constitucional, como cunhado pelos estudiosos de Direito Constitucional e professores da Universidade de Chicago Aziz Huq e Tom Ginsburg.

Assim, tal como o exemplo do sapo, eventuais perdas de liberdades também ocorrem aos poucos. Se uma autoridade central retira todas de uma vez, a reação institucional por parte de grupos da sociedade é contundentemente contrária. Porém, caso a liberdade seja removida aos poucos, a resistência é menor, pois frequentemente indivíduos abrem mão de princípios e valores por conveniências de curto prazo.

Um notável exemplo de cancelamento da liberdade ocorreu na Venezuela, em um processo que durou duas décadas e meia para se consolidar. Ele começou a partir de instabilidades institucionais no início dos anos 1990 e se acentuou com a vitória do socialista Hugo Chávez nas eleições de 1998. À época, ele atacava uma “elite governante corrupta”, prometia construir uma democracia “autêntica” e que utilizasse a riqueza proveniente do petróleo a fim de melhorar a vida dos mais pobres.

Na presidência, conseguiu, dentro das regras do jogo, permissões constitucionais que aumentaram o poder de seu cargo em 2000. Em 2004, estabeleceu uma submissão do Judiciário pelo Executivo ao aparelhar a Suprema Corte ao alterar sua composição. Nesse sentido, houve um processo de captura de árbitros, o que fornece ao governo concomitantemente uma defesa, mas também uma arma, na medida em que permite impor a legislação de forma seletiva, favorecendo aliados e punindo adversários.

Em 2006, o regime chavista passou a restringir, de forma mais explícita, a liberdade de expressão e de imprensa. Foi determinado o fechamento de uma das principais emissoras de televisão do país, o que provocou outros veículos jornalísticos a praticarem uma autocensura. A Venevisión, por exemplo, anteriormente era considerada como pró-oposição, mas mal cobriu a oposição durante a eleição de 2006: de acordo com levantamento realizado pela União Europeia, seu tempo de cobertura ao então presidente Chávez foi quase cinco vezes superior a todos os seus rivais somados, o que, de certa forma, contribuiu para sua vitória. Posteriormente, a emissora decidiu interromper as coberturas políticas, optando por programações de entretenimento.

O Judiciário foi controlado a ponto de não haver nenhuma decisão contrária ao regime entre 2004 e 2013, mesmo em um universo de mais de 45 mil decisões. O levantamento consta na obra O TSJ a Serviço da Revolução, do advogado venezuelano Antonio Canova. Dessa forma, Chávez sentiu-se confortável e passou a prender e exilar políticos, juízes e figuras da mídia que eram consideradas oposicionistas, sempre com acusações dúbias.

Além disso, mesmo após todos os fatos listados, em 2011 uma pesquisa da Latinobarómetro apontou que 51% dos venezuelanos acreditavam estar em um país “completamente democrático”, com uma satisfação superior a 80%. Por conseguinte, a maioria não percebeu que “a água estava fervendo”.

Posteriormente, o processo eleitoral passou a ser marcado por maiores evidências de fraudes. Em 2014, por exemplo, o governo prendeu Leopoldo López, líder da oposição e principal concorrente do sucessor de Chávez, Nicolas Maduro.

De 4º maior PIB per capita do planeta na década de 1950, segundo o Banco Mundial, o ambiente de negócios venezuelano piorou a ponto de se tornar o segundo país com menos liberdade econômica do mundo, consoante a Heritage Foundation. Como resultado, atualmente 94,5% dos venezuelanos vivem na pobreza, de acordo com estudo da Universidade Católica Andrés Bello.

Por fim, quando “a água estava evaporando”, os protestos populares foram deflagrados e se tornaram mais intensos, mas o Estado venezuelano já era tão grande, forte e autoritário que a polícia chavista reprimiu as manifestações a partir de milhares de prisões e centenas de assassinatos, sem maiores consequências.

Apenas em 2017, após a usurpação do poder do Congresso e da apropriação das competências da Assembleia Nacional pela Suprema Corte, a Venezuela passou a ser amplamente reconhecida internacionalmente como uma autocracia. O país era a democracia mais duradoura da América do Sul, que vigorava desde 1958. Assim, levou-se quase duas décadas desde a ascensão de Chávez na presidência para o sistema se tornar uma ditadura. O sapo perdeu sua vida — isto é, a liberdade foi cancelada.

A corrupção das instituições venezuelanas e a escalada do autoritarismo foram parte de um processo gradual e lento. Os alarmes da sociedade não foram despertados, e os críticos eram considerados exagerados ou falsos alarmistas. É um exemplo pedagógico de como a erosão das liberdades pode ser imperceptível para a maioria dos indivíduos, mas não se trata de uma exclusividade. Na última década, por exemplo, Geórgia, Hungria, Nicarágua, Peru, Filipinas, Polônia, Rússia, Sri Lanka, Turquia e Ucrânia também apresentaram quedas expressivas e consecutivas em levantamentos especializados de qualidade democrática, tais quais o Freedom House da The Economist. Como afirmam Levitsky e Ziblatt, “o retrocesso democrático hoje começa nas urnas”.

Um outro alerta de postura de um defensor da liberdade a fim de evitar seu cancelamento se encontra entre as Fábulas de Esopo, um escravo e contador de histórias que viveu na Grécia Antiga. Na história do javali, do cavalo e do caçador, ele narra que havia uma séria disputa entre os animais. Então, o cavalo pediu ajuda ao caçador para se vingar. Ele concordou, mas disse: “Se deseja derrotar o javali, deve permitir que eu ponha esta peça de ferro entre as suas mandíbulas a fim de que eu o guie com estas rédeas, e que coloque esta sela nas suas costas, para que possa me manter firme enquanto seguimos o inimigo.” O equino aceitou as condições e o caçador logo o selou e bridou. Assim, com a ajuda do caçador, o cavalo logo venceu o javali, e então disse: “Agora, desça e retire essas coisas da minha boca e das minhas costas.” Mas o caçador se negou. “Eu o tenho sob minhas rédeas e esporas, e por enquanto prefiro mantê-lo assim”, o que se manteve para o resto dos seus dias.

Esopo conclui que indivíduos incautos caem em pior condição — renunciam à liberdade — acreditando estarem sendo ajudados — em troca de uma suposta (e falsa) segurança. Parafraseando Thomas Jefferson, se abdicarmos da eterna vigilância, mais cedo ou mais tarde, a liberdade será cancelada. Para evitar essa tragédia, não se pode jamais abrir mão de princípios e valores por conveniências de momento.

 

Luan Sperandio é editor-chefe da casa de investimentos Apex Partners, analista político e colunista da Folha Vitória. Integra diversas organizações ligadas ao desenvolvimento de instituições com melhor ambiente de negócios, como o Ideias Radicais, o Instituto Mercado Popular e o Instituto Liberal, onde escreve desde 2014. É associado do Instituto Líderes do Amanhã.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação