The news is by your side.

A anatomia do Estado, segundo Murray Rothbard

 

Muitas pessoas têm dificuldade para entender o que é o Estado, como funciona, qual é o seu papel, qual é o temor dos governantes, entre outros. Este assunto tem sido cada dia mais constante na nossa sociedade e com um interesse crescente das pessoas, principalmente dos jovens.

A obra “A Anatomia do Estado” escrita pelo economista e filósofo político Murray Rothbard é dividida em sete capítulos e busca, por meio de uma reflexão abrangente, responder e esclarecer vários questionamentos como os citados acima.

Este livro, mesmo sendo de uma leitura rápida e objetiva, desperta um senso crítico no leitor, promovendo uma reflexão e uma desconstrução de falácias.

O QUE É E O QUE NÃO É O ESTADO, SEGUNDO ROTHBARD
Basicamente, as pessoas possuem um entendimento raso ou, até mesmo, distorcido sobre o Estado. Muitas vezes, de forma proposital, o Estado induz, de acordo com o seu interesse, a sociedade a enxergá-lo de uma outra forma. E a falta de interesse no assunto somado a uma doutrina perversa contribuíram para a situação política atual.

Dessa forma, Rothbard inicia tentando mostrar o que o Estado não é. Quando é ensinado que “nós somos o governo”, intuitivamente, passamos a enxergá-lo de forma mais justa. O termo “nós” é extremamente útil para promover um senso de justiça.

Mas, se o Estado não somos nós, o que ele é? O autor o define como uma organização social que visa a manter o monopólio do uso da força e da violência em uma determinada área territorial, especificamente. Para o autor da obra, o Estado é a única organização da sociedade que não obtém sua receita pela contribuição voluntária ou pelo pagamento de serviços fornecidos, mas pela sua coerção. Portanto, a população e as instituições possuem rendimento por meio do trabalho e da produção, diferentemente do Estado, que o “conquista” por meio da força, armas, leis e prisão.

COMO O ESTADO SE ETERNIZA
Há apenas duas formas de adquirir riquezas. A primeira é por meio de produção e troca, chamada pelo autor de “meio econômico”. A outra é confiscando os bens e serviços por meio da força e violência, denominada “meio político”. E é claro que o meio econômico é o caminho natural para a sobrevivência e prosperidade do homem, da mesma forma que o meio político é o contrário da lei natural, sendo explorador e parasítico, pois, em vez de somar à produção, apenas subtrai. Mais agravante ainda é que, além de retirar bens e riqueza da população, ele desestimula o homem de produzir algo acima do necessário para sua sobrevivência.

Segundo a definição do sociólogo alemão Oppenheimer, mencionado no livro, o Estado é a organização dos meios políticos, é a sistematização do processo predatório sobre um determinado território. Uma vez instalado o estado, é por intermédio da sua coerção e de forma parasita, ele precisa se manter no poder. Embora possa utilizar dessa força constantemente, no longo prazo, busca, de forma ideológica, convencer a população de que esta é a melhor forma. O Estado acredita que a maioria da população precisa ser persuadida por uma ideologia de que o governo é benéfico, pelo menos, inevitável e, certamente, melhor que qualquer alternativa.

A propagação dessa ideologia é uma tarefa social importantíssima dos intelectuais. O povo não consegue criar suas ideias, e, normalmente, a massa segue as ideias difundidas por intelectuais e os formadores de opinião. Não é coincidência a relação próxima entre o Estado e intelectuais. Segundo Rothbard, a contrapartida dessa ajuda fornecida pelos intelectuais ao Estado é um nicho seguro e permanente no seio do aparato estatal, além de gerar rendimentos e prestígio.

OUTRAS FORMAS DO ESTADO SE ETERNIZAR
Além dos intelectuais, outra aliança extremamente bem-sucedida foi do Estado com a igreja. Diante da fé que o povo possuía, os governantes aproveitavam essa crença para usar a autoridade em nome de deus. Portanto, qualquer resistência seria entendida como uma blasfêmia. Outro mecanismo utilizado era instaurar uma apreensão sobre a inexistência do governo. Os governantes alegavam que fornecia um serviço essencial protegendo a população contra criminosos. Desta forma, o Estado sempre preservava um certo crime privado de modo a mostrar os riscos que a população corria caso ele não existisse.

Segundo Rothbard, o patriotismo também era utilizado para benefício do Estado. Uma guerra entre governantes, rapidamente, era transformada em uma guerra entre povos, de modo que a massa lutaria em prol da defesa dos seus governantes sob a falsa crença de que o Governo estava agindo em defesa do povo. Outro poderoso argumento era exaltar a coletividade e desaprovar o individualismo (egoísmo racional). O princípio da coletividade se baseia no bem-estar do coletivo, o sacrifício de um em benefício do outro. E essa teoria se contrapõe ao individualismo que prega a meritocracia, o trabalho como fonte de resultado, a capacidade do ser humano como a única forma de obter benefício.

O autor conclui que o estado é uma instituição profunda e inerentemente anticapitalista. A posição da sociedade é o inverso da máxima marxista, segunda a qual “o Estado é o comitê executivo da classe dominante”, supostamente, dos capitalistas. Ao contrário, o estado é a organização dos meios políticos, constituindo e sendo a fonte da classe governante e estando em permanente oposição ao capital privado.

PODER SOCIAL E PODER ESTATAL
Para exemplificar e interpretar melhor as forças concorrentes entre o homem e o Estado, o livro traz dois termos: “poder social” e “poder estatal”.

O poder social é o poder do homem sobre a natureza para benefício de todos os indivíduos participantes, é o padrão de vida alcançado por meio das trocas mútuas. Já o poder estatal é a apropriação parasitária da produção, uma drenagem dos frutos da sociedade para benefício de pessoas não produtivas. Enquanto o poder social é exercido sobre a natureza, o poder estatal é exercido sobre o homem.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Como fechamento e conclusão, o autor relata que, ao longo da História, as forças produtivas do homem, repetitivamente, tentam abrir caminho para a natureza do seu benefício. Nestes momentos, o poder social sobrepôs o estatal. Porém, toda vez que isto ocorre, o estado, de alguma forma, move-se para confiscar e enfraquecer o poder social. Exemplo disso é o intervalo do século XVII ao XIX, que foi uma época marcada pela ascensão do poder social.

Mas logo depois, no século XX, o poder estatal foi recuperando parte do que tinha perdido. Os últimos séculos foram marcados por tentativas frustradas de tentar impor limites constitucionais ao estado. Segundo o autor, ainda estamos bastante distantes de resolver esse problema. E o caminho ainda é o do conhecimento e da indagação que precisam ser mais explorados. De fato, como demonstrado no livro, o intervencionismo do Estado na sociedade foi extremamente maléfico em diversas nações.

 

Gustavo Lopes Almenara Ribeiro é Diretor Técnico-Operacional da empresa Marca Ambiental e associado honorário do Instituto Líderes do Amanhã.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação