The news is by your side.

Como o Instagram pode induzir a anorexia

Basta ter uma conta falsa no Instagram e algumas fotos de uma mulher magra para conseguir centenas de seguidores. Uma análise mostra como a plataforma social pode ser problemática para usuários jovens.

 

Ossos protuberantes, costelas contáveis, mulheres jovens bem abaixo do peso normal, fotos como essa podem ser encontradas no Instagram. Eles glorificam a perda radical de peso que pode resultar em anorexia. O Instagram está promovendo essas imagens corporais problemáticas, mostra uma nova análise da organização Reset.tech.

Reset.tech é uma iniciativa que defende uma regulamentação mais rígida dos grandes grupos de tecnologia. Ela é financiada pela Luminate, uma organização apoiada pelo fundador do eBay – e agora crítico de tecnologia – Pierre Omidyar.

Com um perfil de teste, os analistas de dados examinaram até que ponto os usuários recebem cada vez mais perfis que idealizam transtornos alimentares. Para fazer isso, eles criaram uma usuária fictícia extremamente magra que afirmou em sua biografia que estava procurando por “Thinspo”, que significa “Thinspiration”, inspirações para ficar mais magra.

Resultado da análise: Mesmo depois que a usuária fictícia seguiu apenas um único perfil desta área, o Instagram sugeriu automaticamente outros perfis semelhantes.

Os transtornos alimentares podem ser agravados

Mesmo sem nenhuma atividade própria, a conta de teste do analista conquistou centenas de novos assinantes dessa área em três semanas. No final do período, o número de seguidores aumentou sete vezes, uma indicação de que o Instagram estava sugerindo proativamente a conta para outros usuários, de acordo com o relatório do Reset.tech.

Além disso, a chamada Guia Discovery mudou – a página na qual os usuários recebem sugestões de novos conteúdos. Lá, também, foi oferecido mais e mais conteúdo que idealizava a anorexia.

As consequências às vezes são fatais

De acordo com especialistas, a anorexia é uma das doenças mentais mais mortais, com cerca de 10 a 15 por cento das pessoas afetadas morrendo de suas consequências. A maioria das pessoas afetadas são predominantemente meninas no início da puberdade, mas, de acordo com especialistas, a idade média continua diminuindo. Essa é uma das razões pelas quais a empresa realmente criou mecanismos de proteção. 

Mesmo que a anorexia não fosse desencadeada pelo Instagram ou pelas redes sociais, essas imagens extremas em mulheres jovens que já sofrem de um transtorno alimentar poderiam agravá-la, diz Rebecca Knoche, especialista em psiquiatria infantil e adolescente da Clínica Mediclin Seepark, na Alemanha.

Particularmente problemático: “Treinadores Pro Ana”

Depois de apenas alguns dias, a conta de teste dos pesquisadores foi escrita por autoproclamados “Treinadores Pro Ana” – isto é, Treinadores Pró-Anorexia. A maioria deles são homens que fingem ajudá-los a perder peso. Em troca, esses treinadores pedem regularmente aos usuários que tirem fotos de nudez.

O Instagram afirma agir contra esses treinadores. Como parte do teste, as contas problemáticas foram relatadas diretamente ao Instagram, mas – de acordo com Reset.tech – não houve resposta. As contas ainda estão online.

Instagram indica esforços

O Instagram anunciou que a empresa havia agido contra 3,5 milhões de conteúdos relacionados a suicídio, automutilação e transtornos alimentares entre julho e setembro deste ano, sendo que 97% deles encontraram o Instagram de forma proativa, antes que alguém os denunciasse. O Instagram remove conteúdo que promove transtornos alimentares assim que é encontrado. O mesmo se aplica a ofertas e solicitações de “coaching”.

“Levamos muito a sério os tópicos de saúde mental e transtornos alimentares. É por isso que desenvolvemos nossas diretrizes da comunidade em colaboração com especialistas reconhecidos nesses tópicos de todo o mundo. Não permitimos conteúdo que glorifique transtornos alimentares no Instagram ou os promova de qualquer outra forma”, afirma o porta-voz do Instagram, Alexander Kleist.

Chefe do Instagram em frente ao Congresso dos EUA

A questão de saber em que medida o Instagram prejudica crianças e adolescentes foi novamente abordada pela ex-funcionária do Facebook, Frances Haugen. Para fazer isso, o chefe do Instagram, Adam Mosseri, tem que responder ao Congresso dos EUA.

Atualmente, está investigando como a rede social afeta a saúde dos jovens usuários. Em uma postagem do blog na terça-feira, o grupo anunciou uma série de medidas que devem tornar o Instagram menos vulnerável.

A partir de março de 2022, os pais devem ser capazes de limitar o tempo que seus filhos passam no Instagram, por exemplo, a 30 minutos ou três horas por dia. Além disso, deve haver uma função de exclusão para conteúdo antigo e novas sugestões ativas em outros tópicos se os usuários lerem muito sobre um tópico.

 

Tagesschau

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação