The news is by your side.

Secretário diz que greve de policiais é ilegal e que insatisfeitos façam outro concurso

 

O secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, disse nesta sexta-feira (10) que caso os policiais penais deflagrem greve, estarão cometendo crime, pois o artigo 144 da Constituição Federal veda a paralisação de policiais. O procurador-Geral do Estado, Francisco de Assis da Silva Lopes, também confirmou que o Estado tomará medidas legais contra o ato dos servidores.

Bustamante assegurou que já existem decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) que proíbem greves do sistema de Segurança Pública e que entende a contestação dos policiais penais que já estão em estado de greve.

“Toda reinvindicação salarial é justa, o governador escuta todo mundo, mas tem que escutar de uma forma republicana, de uma forma que o governador atenda todo mundo. Vai sair concurso público agora para Polícia Civil, Polícia Militar e muitas vezes a categoria pode estar insatisfeita com o salário, e pode tentar um novo concurso e entrar em outra categoria. São categorias diferentes, trabalhos diferentes e não tem que se falar em equiparação de PM, bombeiro, civil e sistema prisional. São trabalhos diferentes, não tem um melhor que o outro, mas são propostas diferentes”, declarou.

O secretário acrescentou que caso a greve seja deflagrada no domingo (12), como anunciou a categoria, será difícil a classe conseguir algum acordo com o governo do Estado. Bustamante detalhou que o governo tem um posicionamento firme e é contrário a qualquer tipo de greve.

Alexandre falou que Mauro Mendes (DEM) e os demais representantes do governo estão aptos a uma negociação, mas de forma democrática.

“O governador é muito sensível a isso, tem estudado, vai dar a RGA agora para todos os servidores dentro da proposta que foi feita, e qualquer alteração de tabela implica em todas as categorias também. Não se pode privilegiar uma em detrimento das outras, então o governador está analisando tudo o que pode ser feito. Agora, se tiver movimento paredista que contraria as decisões judiciais, o governo nem abre negociação”, completou o secretário que participou de uma reunião com Mendes após o ato dos policiais.

O movimento dos sindicalistas forçou o Estado a adiar a inauguração de duas alas na Penitenciária Central do Estado (PCE), que estava marcada para esta manhã.

Bustamante disse que a categoria reivindica por aumento de salário há muitos anos, porém, a realidade do Estado quando Mendes assumiu era de dívidas que não tinha condições de pagar a gasolina das viaturas, e agora Mato Grosso está em um outro momento com investimentos para diminuir custos.

Procuradoria preparada

Francisco de Assis, que também esteve no palácio em reunião com o governador, argumentou sobre a ameaça de paralisação dos policiais penais, e disse que em qualquer situação o governo trabalha com estrita legalidade e, havendo ilegalidade, a PGE será acionada para buscar os meios judiciais para reverter o ato.

No momento, o procurador fala que o Estado ainda não foi informado sobre a greve oficialmente.

“Isso [greve] tem que ser analisada e é algo que demanda estudo para a gente falar em sanção legal e qualquer tipo de penalidade, mesmo porque, ainda não estamos falando de greve, então é precipitado falar sobre qualquer tipo de sanção e não é hora de a gente buscar o embate ou qualquer coisa desse tipo”, argumentou.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação