The news is by your side.

TJ permite, em liminar, doação de R$ 3,5 milhões ao Cuiabá

 

 

 

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) negou o pedido de liminar do procurador-geral de Justiça, José Antonio Borges, que pedia a suspensão do repasse de R$ 3,5 milhões para o time do Cuiabá pelo governo Mauro Mendes (DEM).

A negativa partiu do relator da Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra a lei estadual que estabeleceu o patrocínio aos clubes que jogarem a série A do Campeonato Brasileiro de Futebol, desembargador Juvenal Pereira da Silva, que não viu nenhuma inconstitucionalidade na lei aprovada pela Assembleia Legislativa (ALMT).

Ainda haverá o julgamento do mérito, após manifestação do governo do Estado e da Assembleia Legislativa.

Conforme a ADI, “sem a prestação de contas, sem estabelecimento de vetores aptos a aferir o real retorno ao Estado de Mato Grosso do valor enviado a título de patrocínio e, mais gritante, sem estudo prévio de que a forma eleita é a mais adequada para promoção das potencialidades turísticas, econômicas e ambientais do Estado de Mato Grosso, causa substancial prejuízo ao erário”.

Denominado de Programa Mato Grosso Série A, a lei foi criada com o objetivo de patrocinar as equipes de futebol profissional mato-grossense que disputem as séries A e B do Campeonato Brasileiro organizado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) .

“O Programa Mato Grosso Série A contemplará medidas de apoio às equipes profissionais mato-grossenses que estejam disputando ou que venham a disputar as Séries A e B do Campeonato Brasileiro organizado pela CBF”, diz um trecho da lei.

De acordo com a lei, caberá a Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Seced) fazer o repasse por estabelecimento de parcerias entre a administração Estadual e as equipes profissionais mato-grossenses.   A lei também autoriza a Secel firmar contrato de patrocínio, de forma direta, com as pessoas jurídicas representantes das equipes profissionais que estejam disputando as séries A e B do Campeonato Brasileiro nos valores de R$ 3, 5 milhões e R$ 1 milhão, respectivamente.

Vale ressaltar que a proposta de beneficiar os clubes partiu do governador Mauro Mendes (DEM). No entanto, coube ao governador em exercício, Otaviano Pivetta, sancionar a lei, durante a licença do titular para uma viagem institucional ao exterior.

“A lei, na forma em que se encontra, ao prever o repasse de valores diretamente a empresas privadas, antevendo tão somente uma contrapartida propagandista; sem estudo prévio de que a forma eleita é a mais adequada para promoção das potencialidades turísticas, econômicas e ambientais do Estado de Mato Grosso; sem controle de gastos de que o valor repassado será utilizado exclusivamente para a consecução do objetivo, ainda que de forma indireta, padece de grave vício de inconstitucionalidade, por violação à moralidade, eficiência e dever geral de prestação de contas, vetores que norteiam a atuação da Administração Pública, ofendendo dispositivos da Constituição Federal e da Constituição Estadual de Mato Grosso”, cita trecho da ADI.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação