The news is by your side.

Bezerra diz que MDB nacional ‘interveio’ para Emanuel retornar ao cargo

 

O deputado federal Carlos Bezerra (MDB) creditou o retorno do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) ao comando da capital mato-grossense, ao MDB nacional que, segundo ele, interferiu para que o chefe do Executivo tivesse êxito em seu recurso junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

“Nessa crise que teve aí [afastamento] quem ajudou mesmo a resolver foi o MDB nacional para que ele retornasse”, disse  durante a entrevista após ser questionado sobre a relação da legenda com Emanuel.

Sobre como foi essa interferência, Bezerra encerrou a entrevista e disse “isso eu não posso falar”.

Carlos Bezerra afirmou que a liminar que suspendeu o afastamento de Emanuel do cargo foi uma “questão de justiça”, e que o afastamento dele, após o pedido do Ministério Público de Mato Grosso (MPMT), teria sido “mais político do que jurídico”.  “Porque foi baseado em atos que é da competência do secretário, não do prefeito. Então acho que se fez justiça”, pontuou.

A declaração do cacique do MDB mato-grossense reforça o que já havia dito Pinheiro de que durante os 37 dias em que esteve afastado, Carlos Bezerra sempre esteve próximo e o apoiando.

“Estou muito bem. Dos 37 dias que sequestraram meu mandato, 30 deles o Bezerra esteve comigo. Nunca estivemos tão unidos, eu e Bezerra. A classe política se aproximou ainda mais de mim nesse momento”, afirmou o gestor.

Emanuel foi afastado do cargo em outubro passada após ser deflagrada a Operação Capstrum. A ação investiga suposto esquema de contratações irregulares para garantir apoio político ao prefeito. No dia 26 de novembro, o gestor conseguiu reverter a decisão e voltou ao Palácio Alencastro.

Operação Capistrum

Deflagrada em 19 e outubro pelo Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco), a Operação Capistrum decretou busca e apreensão e sequestro de bens em desfavor do prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro e sua esposa Márcia Aparecida Kuhn Pinheiro, do chefe de Gabinete Antônio Monreal Neto, da secretária-adjunta de Governo e Assuntos Estratégicos, Ivone de Souza, e do ex-coordenador de Gestão de Pessoas, Ricardo Aparecido Ribeiro.

Considerado o braço direito de Emanuel desde à época em que o emedebista era deputado estadual, o chefe de gabinete chegou a ser preso em apartamento de luxo, localizado no bairro Santa Helena. Todos os investigados, exceto Emanuel, continuam afastados de suas funções públicas.

De acordo com o MPE, os investigados estariam ligados a um suposto esquema de indicações políticas e contratações temporárias na Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá. Os contratados tinham direito ao benefício do ‘Prêmio Saúde’, que pagavam até R$ 6 mil a mais para os comissionados.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação