The news is by your side.

IMEA: safra de soja 2021/2022 de MT deve atingir 38,14 milhões de toneladas

Da Redação

 

O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) apresentou nesta terça-feira (14) uma visão geral do que a agricultura e a pecuária de Mato Grosso podem esperar para 2022. Segundo o instituto, a safra de soja 2021/2022 do estado deve atingir 38,14 milhões de toneladas, um crescimento de 5,5% em relação ao ciclo anterior. A área destinada ao cultivo da soja está estimada em 10,85 milhões de hectares, representando um aumento de 3,6% em comparação à safra passada.

“O ano de 2021 para o setor está terminando, no geral, melhor do que 2020, quando começou a pandemia. Em relação à atividade do agro, o setor tem ido bem e contribuído às necessidades do mundo para alimentos”, avaliou o presidente do Sistema Famato, Normando Corral.

O superintedente do Imea, Cleiton Gauer, afirmou que “este crescimento da produção é reflexo dos preços e da demanda mundial elevada, assim como o adiantamento do período das chuvas, que colaborou para o avanço da semeadura em tempo recorde em Mato Grosso”.

As previsões de chuvas para o início de 2022 continuam indicando volumes acima da média dos anos anteriores, especialmente no período da colheita, o que deve ficar no radar dos produtores. Outro ponto que merece alerta são os custos de produção. Segundo Gauer, os preços dos insumos já indicam aumento de custos para os agricultores e isso pode comprimir a rentabilidade do setor na próxima temporada. Diante deste cenário, as vendas antecipadas para a próxima safra ainda caminham lentamente.

O alerta especial é para os custos da safra 2022/2023, semeada somente a partir de setembro de 2022, que já se apresentam mais elevados. No cenário atual a expectativa do instituto é que o custo operacional total para a produção de um hectare de soja seja de R$ 4.357,16 na safra 2021/2022 e suba para R$ 6.146,03 no ciclo 2022/2023. No caso do milho, a previsão é passar de R$ 3.563,51 para R$ 4.448,53 no mesmo período. E para o algodão a estimativa é aumentar de R$ 14.853,53 para R$ 16.576,03 por hectare.

“A certeza que o produtor tem hoje é de um custo mais elevado. O próximo ano será desafiador. O produtor precisará ter o controle de tudo e verificar se vale a pena fazer determinado investimento. Não existe um ano certo para investir, mas existe a estrutura e o momento certo para cada produtor. É necessário ficar atento às condições e não dar passo maior do que a perna”, destacou Gauer.

 

Milho – A área prevista para o plantio da segunda safra de milho em 2022 em Mato Grosso é de 6,23 milhões de hectares, um aumento de 6,2% ante à anterior. Em relação à produção, a estimativa para o cereal é atingir 39,65 milhões de toneladas, 17,9% a mais do que na safra passada. A produtividade média prevista é de 106,09 sacas por hectare.

Olhando para o fator climático, o superintendente informou que, apesar de ser um ponto decisivo para a safra de milho no estado, os modelos climáticos da Administração Oceânica e Atmosférica (NOAA) apontam volumes acima da média dos últimos cinco anos para a maior parte do estado no mês de janeiro, quando começa a semeadura do cereal, ou seja, um fator positivo para a cultura.

Para o ciclo 2021/2022 do algodão de Mato Grosso a expectativa é produzir 4,77 milhões de toneladas em uma área de 1,10 milhão de hectares – crescimento de 15,9% e 12,8% respectivamente.

 

Pecuária – De acordo com o Instituto, a pecuária registrou uma queda de 12,1% no volume de abates em 2021 de 4,265 milhões de cabeças. O resultado também é reflexo da estratégia de retenção de fêmeas. Os preços e as práticas de confinamento foram afetados com a suspensão da China para as compras da carne bovina brasileira, após dois casos atípicos de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), conhecida como “Doença da Vaca Louca”, sendo um deles em Mato Grosso.

Nesta quarta-feira (15), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) recebeu a informação sobre a liberação das exportações de carne bovina para a China. Com isso, a certificação e o embarque da proteína animal para os chineses serão normalizados e podem ser retomados.

Está previsto para o próximo ano uma menor volatilidade nos preços e aumento de oferta de animais.

Na pecuária leiteira, a captação de leite no estado atingiu este ano 300 milhões de litros, uma queda de 9,2% em relação ao ano anterior causada pela seca, desestímulos ao setor, produtores deixando a atividade e o cenário de retenção de fêmeas. Olhando para o sistema de recria e engorda, os custos com a aquisição de animais acabou pesando devido à valorização do bezerro.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação