The news is by your side.

Deputado diz que já foi contaminado e recusa vacina contra covid

 

 

Deputado estadual Gilberto Cattani (PSL) disse que não irá se vacinar pelo fato de já ter contraído o novo coronavírus. Apesar da tese ir na contramão das autoridades de saúde, o parlamentar sustentou que já criou anticorpos contra o vírus e por conta disso não precisa receber o imunizante.

Cattani ainda defendeu o tratamento precoce, que não possui eficácia científica comprovada para a prevenção da doença.”Eu não tomei a vacina, mas não tenho nada contra. Eu peguei a covid com a minha esposa, a gente se tratou precocemente, antes do vírus se agravar no nosso corpo. O meu filho também pegou e hoje nós criamos imunidade. Hoje nossa imunidade está muito alta e não tem necessidade de tomar a vacina porque se tem a imunidade natural”, sustentou.

Apesar do imunizante diminuir drasticamente a necessidade de internação e mortes, Cattani seguiu dizendo que seria incoerente se imunizar mesmo após ter adquirido anticorpos. “Tem pessoas que não cria a imunidade mesmo pegando, mas se ela tem anticorpos é até um ato de incoerência você tomar a vacina sem precisar”.

Apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL) na Assembleia Legislativa, Cattani ocupa a vaga deixada por Sílvio Fávero (PSL), que morreu em março deste ano após sofrer complicações provocadas pela covid-19.

Antes de se contaminar, Fávero chegou a apresentar um projeto de lei para desobrigar a população mato-grossense de ser imunizada contra a covid. Na mesma linha, Cattani segue uma linha ideológica semelhante de seu antecessor e em agosto deste ano chegou a apresentar um projeto parecido na Casa de Leis.

Atualmente, o parlamentar também é co-autor de um projeto de lei que pretende proibir a exigência do passaporte da vacina em Mato Grosso, matéria que tem gerado polêmica entre os deputados e deverá ser apreciado em janeiro do ano que vem.

Durante um evento com lideranças conservadoras em Várzea Grande, Cattani reiterou seu posicionamento contra apresentação do documento e disse que as pessoas devem ter liberdade para se imunizar ou não. “A pessoa tem que ter liberdade de escolher se vacinar ou não. Por exemplo: se você chega em um campo de futebol e pedem para apresentar o exame negativo ou cartão de vacina, eu confio muito mais em um teste do que no cartão. Isso porque a pessoa pode ter apresentado o documento e estar contaminado e transmitindo a doença pra todo mundo lá dentro”.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação