The news is by your side.

Depois da dívida do VLT quitada, Mauro diz que BRT é caminho sem volta

Da redação

 

O governador Mauro Mendes (DEM) pôs um ponto final no Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Em conversa com jornalistas nesta segunda-feira (20), ele afirmou que já quitou a dívida do modal na Caixa Econômica Federal e que não existem mais questionamentos a serem feitos sobre o modal, nem a troca para o Ônibus de Trânsito Rápido (BRT).

Em coletiva durante a entrega da Estação de Tratamento de Água (ETA) do Cristo Rei, em Várzea Grande, o governador disse que qualquer conversa que ainda exista sobre a implantação do VLT é mentira.

“Ponto final. Nós já até pagamos a Caixa Econômica e não devemos mais nada a eles. A licitação já foi publicada e qualquer coisa que diga disso aí é factoide, é besteira. Todo mundo que prometeu uma guerra jurídica levou uma saraivada jurídica. O governo está muito consciente no seu papel e daquilo que está fazendo”, declarou o governador.

O governador já havia anunciado o pagamento da dívida do financiamento das obras do VLT que se arrastam desde 2013. Mauro disse que o Estado estava pegando mensalmente as parcelas do financiamento, mas fez um acordo para quitar os R$ 560 milhões em uma única parcela e, com isso, destravar as obras do BRT.

Até então, o entrave à construção do BRT era a falta de aval da Caixa Econômica para transferência dos recursos do VLT para a construção do novo modal. Enquanto a dívida não fosse quitada, o Estado não teria direito a novo financiamento.

Já no dia 13 de dezembro, o Estado abriu o processo licitatório para a contratação das obras do BRT movido à eletricidade, em Cuiabá e Várzea Grande. A concorrência será realizada na modalidade de Regime Diferenciado de Contratação Integrada (RDCi), do tipo menor preço.

A abertura das propostas está marcada para o dia 27 de janeiro de 2022, na sede da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra-MT). A obra está orçada em R$ 480.500.531,82, valor que inclui a elaboração dos projetos básicos e executivos de engenharia, de desapropriação, obtenção de licenças, outorgas, aprovações e execução das obras de implantação do corredor do BRT.

No valor da obra também estão inclusas as construções de 46 estações, de um terminal na região do Coxipó e outro no CPA, e a reconstrução do Terminal André Maggi, em Várzea Grande.

No RDCi, a empresa vencedora ficará responsável pela elaboração do projeto e depois pela execução da obra, que tem um prazo de dois anos para ser concluída após o seu início.

RESSARCIMENTO

A decisão de troca do VLT pelo BRT foi tomada pelo governo após rescisão contratual com o consórcio, que está envolvido em suspeitas de corrupção e pagamento de propina para agentes públicos, conforme consta em delação premiada. Como o contrato foi rescindido com decisão judicial de 2017, ratificada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) em 2019, o governo acionou o Consórcio VLT na Justiça, pedindo ressarcimento e indenização aos cofres públicos pela não finalização das obras do VLT, que deveriam ter sido concluídas em 2014.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação