The news is by your side.

PGR defende manutenção de inquérito contra Bolsonaro

Presidente é investigado por ter criticado a falta de segurança das urnas eletrônicas durante uma transmissão ao vivo

Da Redação

A Procuradoria-Geral da República (PGR) defendeu a continuidade das investigações contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) a respeito de declarações em uma transmissão ao vivo, proferidas em 29 de julho.

Na ocasião, Bolsonaro foi indiciado por criticar a falta de segurança das urnas eletrônicas com evidências da fragilidade do sistema eleitoral.

Em parecer encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF), a subprocuradora-geral, Lindôra Araújo, disse ser contra um pedido do presidente para encerrar o caso. Ela afirmou que é “prematuro” trancar a apuração.

“O trancamento de inquérito criminal antes da conclusão das investigações é medida excepcional, somente admitida quando constatáveis, de plano, a atipicidade da conduta, a incidência de causa de extinção da punibilidade ou a flagrante ausência de indícios de autoria e materialidade”, afirmou Lindôra.

A subprocuradora disse ainda que há “indícios da prática de ilícitos que desautorizam o arquivamento”. Em sua avaliação, há aparente conexão entre a conduta de Bolsonaro e os mesmos mecanismos de propagação de fake news.

O presidente entrou com recurso contra a investigação alegando que o ministro Alexandre de Moraes, relator, não teria prioridade para conduzir o caso. Também argumenta que as “observações e críticas” foram feitas no “espaço lícito do exercício da liberdade de expressão”.

A Polícia Federal sustenta que Bolsonaro agiu deliberadamente para promover desinformação sobre o sistema eletrônico de votação.

A delegada federal Denisse Dias Rosas, responsável pela investigação, pediu que o presidente seja investigado no inquérito das “milícias digitais”.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação