The news is by your side.

Entidade denuncia que prefeitura burla decisão judicial e amplia irregularidades

Da Redação

A Associação dos Auditores e Controladores Internos dos Municípios de Mato Grosso (Audicom-MT) denunciou que a Prefeitura de Rondonópolis, mais uma vez com anuência da Câmara Municipal, protagonizou uma manobra para burlar a Constituição Federal e ampliou o número de cargos irregulares na Secretaria Municipal de Transparência Pública e Controle Interno.

A medida afronta decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT). Em acórdão estabelecido em agosto de 2021, o desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, relator da Ação Direta de Constitucionalidade (ADI 1018096-68.2020) chegou a advertir o município de Rondonópolis em razão das tentativas de burlar o Poder Judiciário criando novas legislações para descumprir acórdãos do TJMT, além disso, apresentar embargos de declaração protelatórios, atitude que o relator aponta como “vontade do embargante em tumultuar” uma questão que já foi “amplamente discutida no plenário do Supremo Tribunal Federal e no Órgão Especial plenário do TJMT”.

Às vésperas do Natal, o Poder Executivo encaminhou um pacote de reformas ao Poder Legislativo municipal, incluindo alterações na Lei Complementar 331, de 16 de julho de 2020. Essa legislação criou a Secretaria Municipal de Transparência Pública e Controle Interno (Setraci) já como forma de não cumprir o primeiro acórdão do TJMT que tratou sobre cargos irregulares na Unidade de Controle Interno do município, inclusive a livre nomeação de controladores e outras funções sem a realização de concurso público.

Dessa vez, a nova legislação aprovada em duas votações e já publicada em diário oficial do município do dia 22, piora a situação da Setraci, mantendo a possibilidade de livre nomeação para os cargos de chefia do controle interno e criando mais três funções que poderão ser preenchidas por comissionados, ampliando as irregularidades na secretaria.

Agora, além do secretário municipal de Transparência Pública e Controle Interno, e outros sete funções de coordenação, que foram criadas para ocupar a Setraci, também foram definidas as funções de assessor jurídico, coordenador de ouvidoria municipal e assessor de triagem, recepção e difusão de solicitação.

Foram mantidos os cargos que em agosto de 2021 foram declarados inconstitucionais, sendo: Gerente de Departamento de Planejamento Estratégico, Normatização e Transparência; Gerente de Departamento de Gerenciamento do Aplic; Gerente de Departamento de Auditoria e Controle Interno; Gerente de Núcleo de Acompanhamento e Desenvolvimento Institucional; Gerente de Núcleo de Controle Interno; Gerente de Núcleo de Padronização de Processos e Gerente de Núcleo de Transparência.

A Associação dos Auditores e Controladores Internos dos Municípios de Mato Grosso (Audicom), autora das duas ADIs que já debateram a situação de irregularidade no Controle Interno de Rondonópolis, informa que não vai se calar diante de mais essa manobra do município.

Em nota, a associação afirma que vai comunicar nos autos do processo que julgou, por unanimidade, a inconstitucionalidade dos cargos que foram reeditados, destacando ao TJMT a prática reiterada que visa burlar a lei a as decisões judiciais.

“A Audicom também vai comunicar o caso ao conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, relator das contas de Rondonópolis, sobre os atos de gestão ilegais, que descumprem decisões do TJMT e do próprio TCE em diversos processos. Nosso pedido será no sentido de o TCE conceder uma medida cautelar para suspender os efeitos da legislação ilegal”, destaca a nota.

Por fim, a associação informa que vai comunicar o procurador-geral do Ministério Público de Contas e solicitar medida que suspenda a legislação ilegal.

Além dessas iniciativas, a Audicom ingressará com um pedido de intervenção como amicus curae na ação civil pública (n. 1026437-74.2020.8.11.0003) movida pelo Ministério Público de Mato Grosso, por meio da promotoria de justiça de Rondonópolis, contra o município, para que o obrigue a cumprir os acórdãos já definidos pelo TJMT (ADIs nº 1010030-36.2019.8.11.0000 e 1018096-68.2020.8.11.0000).

Cargos comissionados inconstitucionais

O Ministério Público e a própria AUDICOM têm combatido os cargos comissionados na Setraci com base em entendimento já consolidado no STF. Em julgamento com repercussão geral (RE n. 1.0421.210/SP), o pleno da Suprema Corte, com relatoria da ministra Carmem Lúcia estabeleceu que a criação de cargos em comissão somente se justifica para o exercício de funções de direção, chefia e assessoramento, não se prestando ao desempenho de atividades burocráticas, técnicas ou operacionais. Além disso, o número de cargos comissionados criados deve guardar proporcionalidade com a necessidade que eles visam suprir e com o número de servidores ocupantes de cargos efetivos no ente federativo que os criar; e as atribuições dos cargos em comissão devem estar descritas, de forma clara e objetiva, na própria lei que os instituir.

A assessoria jurídica da Audicom reforça que o problema em Rondonópolis, com informações da própria Secretaria Municipal de Governo, é que existem mais cargos comissionados do que cargos efetivos de controladores internos, sendo apenas quatro efetivos e de carreira, para oito comissionados e aos quais os efetivos se encontram subordinados “e claramente tolhidos no livre exercício do efetivo e real controle interno dos atos da administração”, conforme apontado em juízo.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação