The news is by your side.

Emanuel diz que vai vetar Dia do Orgulho Hétero: “Violência contra direitos humanos”

 

 

A criação do Dia do Orgulho Hétero nem passou pela segunda votação na Câmara de Cuiabá e já corre risco de ser vetada pela Prefeitura. Isso porque, para o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), o projeto fere os direitos individuais, coletivos e da dignidade humana.

“Minha esperança é que vereadores arquivem esse absurdo, essa violência contra os direitos humanos, contra os direitos individuais e contra a dignidade da pessoa humana. Uma violência de todos os aspectos. Mas, se chegar na minha mesa, não espero nem 24 horas e veto imediatamente”, disse o prefeito nessa quinta-feira (30), após inauguração da Vila Cuiabana, na Orla do Porto.

A proposta foi apresentada pelo vereador Tenente-coronel Paccola (Cidadania) no dia 16 de novembro, para ser “celebrada” no terceiro domingo do mês de dezembro.

Para justificar, Paccola disse na tribuna da Câmara que é “difícil explicar para as crianças e adolescentes o motivo de ter um dia específico para celebração do orgulho LGBTQIA+”, e ponderou que os heterossexuais também têm direito de se sentirem orgulhosos por sua orientação.

Emanuel Pinheiro observou que o vereador tem direito a sua liberdade de expressão, mas “há projetos que não condizem com o que a sociedade pensa e a sociedade moderna exige, especialmente o respeito ao direitos humanos”, o que seria o caso do projeto em questão.

O prefeito ainda considerou o projeto “despropositado, inoportuno e que não tem sentido”.

“Carece de todo e qualquer tipo de sentido. Você leva o ano inteiro inaugurando seu mandato para terminar o ano sendo lembrado pelo Dia do Orgulho Hétero e por ter votado contra a isenção da taxa de lixo para 35 mil famílias carentes”, criticou, lembrando que, nas últimas semanas, os vereadores rejeitaram um projeto da Prefeitura que pretendia isentar famílias carentes da taxa de coleta de lixo.

Na Câmara, a proposta do Orgulho Hétero recebeu 15 votos favoráveis, um contrário, da vereadora Edna Sampaio (PT) e teve seis ausências. Entretanto, o caso gerou repercussão nacional negativa e alguns parlamentares já adiantaram que deverão mudar seus posicionamentos na segunda votação.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação