The news is by your side.

Vacinação em crianças de 5 a 11 anos não será obrigatória

O Ministério da Saúde manteve nas mãos dos pais a decisão de imunizar ou não seus filhos contra a doença

 

O Ministério da Saúde decidiu que a vacinação em crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19 não será obrigatória, diferentemente de todas as outras imunizações infantis previstas pelo Programa Nacional de Imunização (PNI). Caberá aos pais ou responsáveis dar o aval para a aplicação.

“A distribuição de mais de 400 milhões de doses mostra o compromisso do governo federal em prover vacinas para que a população brasileira possa livremente buscar essas políticas públicas nas nossas salas de vacinação”, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em coletiva desta quarta-feira (5).

Apesar de manter nas mãos dos pais a decisão de vacinar ou não as crianças, o Ministério da Saúde voltou atrás em relação à cobrança da prescrição médica como condicionante para a aplicação.

Isso ocorreu após representantes das sociedades médicas alertarem, em audiência pública, que a medida é uma forte barreira de acesso, pois muitas famílias brasileiras teriam dificuldade em conseguir o exame. Em consulta pública, a própria sociedade civil também se manifestou contra a exigência.

Agora, a receita médica para que crianças se vacinem contra a Covid-19 será tratada como uma recomendação. “Imprescindível que os pais, mães, responsáveis, consultem um médico antes de irem tomar essa vacina. Essa preocupação existe porque a criança está em pleno desenvolvimento. É importante essa informação”, afirmou a secretária Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite.

Em janeiro, o governo pretende imunizar 3,7 milhões de crianças. Segundo o ministério, o Brasil contratou mais de 20 milhões de doses da vacina da Pfizer, que foi aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), para serem aplicadas em crianças.

Segundo a Saúde, a recomendação é pela prioridade de vacinação de crianças com comorbidades ou deficiências permanentes. Depois, a ideia é seguir pela ordem decrescente de idade, começando com as crianças de 11 anos. A decisão, no entanto, fica a cargo dos entes federados. “Isso vai ser decidido pela ponta. A parte do município que vai definir como vai fazer essa imunização”, disse Rosana.

O intervalo entre uma aplicação e outra será com intervalo de oito semanas.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação