The news is by your side.

Mulher grávida perde bebê devido às regras Covid na China

A mulher teria sua entrada negada em um hospital na cidade de Xi'an porque seu teste de Covid negativo era quatro horas mais velho

 

Funcionários de um hospital chinês foram demitidos depois que uma mulher grávida perdeu seu bebê após ela ter sua entrada negada no hospital de Xi’an, devido às restrições de bloqueio por coronavírus.

Na noite de 1º de janeiro, uma mulher em trabalho de parto teve sua entrada negada no hospital Xi’an Gaoxin porque seu resultado negativo do teste era quatro horas mais velho. Ela começou a sangrar muito enquanto esperava do lado de fora e acabou sendo internada, mas o bebê morreu.

A história da mulher e um vídeo que a acompanha se espalharam nas redes sociais e foram relatados pela mídia chinesa local. Uma hashtag relacionada no Weibo foi vista 600 milhões de vezes.

Na quarta-feira (5), a província de Shaanxi e a Comissão Municipal de Saúde de Xi’an anunciaram que iniciaram uma investigação e determinaram que a morte do bebê foi um “acidente causado por negligência”. Dois funcionários do hospital foram demitidos e um gerente suspenso .

O chefe da comissão de saúde de Xi’an também recebeu um aviso formal do Partido Comunista Chinês por administrar mal o atendimento de emergência na cidade.

Xi’an, uma cidade de 13 milhões de habitantes na província de Shaanxi, está há duas semanas em um bloqueio que manteve os residentes dentro de suas casas e fechou locais de entretenimento, lojas e transportes públicos. As autoridades dizem que o bloqueio permitiu que eles controlassem o surto de casos da Covid, que, segundo eles, estão diminuindo. No entanto, também houve relatos preocupantes de escassez de alimentos e acesso atrasado ou bloqueado a cuidados médicos. Os requisitos estritos de vacinas e testes para qualquer pessoa que busque atendimento médico pareceram causar confusão e impedir que algumas pessoas acessassem o tratamento de emergência.

Em nota divulgada pela mídia estatal, o hospital responsável pelo caso da mulher disse que fez “tudo o que deveria ser feito”.

“Agora a Comissão de Saúde e a Federação das Mulheres estão investigando. Eles prestaram muita atenção a isso e foram mais do que justos. ”

O hospital foi obrigado a pedir desculpas ao público, melhorar seus processos e garantir que todos os pacientes tenham acesso ao atendimento de emergência. A prevenção e o controle da epidemia não eram motivos para impedir o tratamento de um paciente, disseram as autoridades, e novos canais “verdes” seriam abertos para que pacientes com doenças agudas e críticas tivessem acesso ao tratamento.

As autoridades também disseram que os casos estão diminuindo em Xi’an, com a maioria dos novos casos detectados em quarentena ou áreas fechadas. Mais de 42.000 pessoas foram colocadas em centros de quarentena, de acordo com a mídia estatal. Xi’an registrou cerca de 1.800 casos desde 9 de dezembro.

O compromisso contínuo da China com a Covid zero tem aparente apoio público em geral em um país que registrou muito menos casos do que muitas outras nações, apesar do vírus ter sido detectado pela primeira vez lá. No entanto, existem preocupações crescentes sobre o impacto das restrições contínuas, que estão se tornando mais rígidas à medida que as autoridades locais se esforçam para prevenir e responder a surtos ou enfrentam punições potenciais.

 

The Guardian

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação