The news is by your side.

Propostas de energia ‘verde’ levariam o mundo à pobreza

 

De Washington a Bruxelas, os políticos ocidentais estão empenhados em impor uma agenda “verde” de cima para baixo na comunidade científica e na indústria. Eles anulam as vozes discordantes e impõem um único discurso.

Inúmeros cientistas e ativistas ambientais defendem uma transição acelerada para a energia verde como solução para as mudanças climáticas que atribuem à atual matriz energética global, mas a ciência sempre foi um processo descentralizado de conjecturas e refutações. Uma transição energética do alcance que eles pretendem nos impor só seria viável sob duas condições:

  • Aplicando ciência descentralizada com resultados sólidos e empiricamente comprovados e descartando erros.
  • Introduzir no mercado novas tecnologias verdes que sejam economicamente mais rentáveis ​​do que as que substituem.

A realidade é que em seu atual nível de desenvolvimento, as tecnologias “verdes” que as agendas políticas do Ocidente insistem em promover não são muito ecologicamente corretas ou economicamente eficientes. Ciência centralizada, enormes subsídios e transferências, “capitalismo” compadrio e dependência geopolítica da mais poluente das grandes economias de hoje são algumas das verdades inconvenientes por trás do discurso “verde” de nossos tempos.

Durante a primeira Guerra Fria, os esforços centralizados pelo governo na ciência aplicada deram frutos notáveis ​​no Ocidente. A corrida espacial, além do pouso na Lua, possibilitou uma série de tecnologias que, de outra forma, levariam mais tempo para surgir, de alimentos liofilizados a satélites de comunicação. Mas os procedimentos de teste eram claros, abertos e com opções concorrentes. E muito foi ciência e tecnologia descentralizada em competição. Para citar o óbvio, uma miríade de empreiteiros privados da NASA competindo para trazer suas soluções para um projeto público centralizado.

Mas a lucratividade econômica subsequente das tecnologias da era espacial foi um feliz acaso, possível apenas em economias de mercado. A corrida espacial era sobre prestígio político e desenvolvimento militar paralelo. O que os Estados Unidos e a URSS estavam mostrando um ao outro era a capacidade de construir mísseis balísticos intercontinentais para transportar armas nucleares.

O que eles estão tentando nos impor hoje é muito mais caro e suas implicações econômicas muito mais profundas. Com a tecnologia “verde” eles estão prometendo muito mais do que poderiam entregar tecnológica e economicamente em seu atual estágio de desenvolvimento.

O mundo já passou por grandes transições energéticas, primeiro do vento para o carvão e o vapor, e depois para o petróleo e a combustão interna. A ciência revela que estas foram transições de fontes de energia de menor densidade para fontes de maior densidade. A transição só avançou com sucesso quando as novas tecnologias foram mais lucrativas do que as que foram substituídas.

Com a “economia verde”, a intenção é ir na direção oposta. A transição que nos é oferecida deslocaria energias de maior densidade e economicamente rentáveis, por energias de menor densidade e menor rentabilidade econômica. A energia é a base material de toda atividade econômica. A maior eficiência energética possível é indispensável para o crescimento econômico, sem o qual seria impossível reduzir a pobreza. Menos energia significa menos atividade econômica e mais pobreza.

As fontes renováveis ​​geram atualmente cerca de 5% da energia primária. O investimento necessário para torná-los as principais fontes teria que ser rapidamente subsidiado com mais impostos ou mais dívidas em economias já super endividadas, reguladas e tributadas. Isso significaria reduzir rapidamente o padrão de vida no Ocidente e condenar as nações subdesenvolvidas a uma pobreza abismal. O custo geopolítico seria a dependência total da China como fonte de materiais-chave de tecnologia verde, como elementos de terras raras.

Apesar de sua maior eficiência energética bateria-roda, os melhores motores elétricos ainda são menos eficientes que os motores de combustão interna em veículos. As melhores baterias para veículos elétricos demoram muito mais para recarregar do que combustíveis líquidos ou gás natural. A energia eólica e solar têm altos custos econômicos, problemas de intermitência e significativos impactos ecológicos ocultos. A energia nuclear, que gera menos CO2 de todas, deixa resíduos radioativos que são caros de controlar a muito longo prazo.

 

Guillermo Rodríguez é professor de Economia Política na área de extensão da Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas da Universidad Monteávila, em Caracas. Pesquisador do Centro Juan de Mariana e autor de vários livros.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação