The news is by your side.

Inquérito conclui que deputado bolsonarista não agiu com homofobia

Da Redação

O deputado estadual Gilberto Cattani (PSL) conseguiu mais uma vitória contra a vereadora por Cuiabá Edna Sampaio (PT). O delegado Celso Renda Gomes arquivou não fez indiciamento no inquérito instaurado contra o deputado por ele ter publicado na rede social a frase de “Ser homofóbico é uma escolha, ser gay também”.

A autoridade policial instaurou inquérito mediante requisição ministerial para apurar o crime de homofobia que teria sido praticada pelo deputado. Foram juntadas todas as informações do casos, inclusive a contenda com a vereadora.

“Registramos que, inequivocamente, a manifestação de Gilberto Moacir Cattani ocorreu na condição de deputado. De qualquer forma, não temos convicção de que tenha cometido o crime que lhe fora imputado, razão pela qual deixamos de indiciá-lo, se é que tal atribuição nos seria cabível”, disse o delegado.

Na oitiva, o delegado destacou que o deputado sustentou que houve da parte dele a manifestação de pensamento sobre o direito de escolha das pessoas. Ou seja, alguns podem escolher ser homofóbicos, outros gays.

O laudo da Politec apontou também que não houve descontinuidade nas imagens ou falas do investigado sobre o caso na Assembleia. “Não houve alterações que pudessem ser fraudulentas acerca do contexto da manifestação do investigado”.

Em dezembro, o juiz Cássio Leite Barros Neto, da 1ª Vara da Comarca de Nova Mutum condenou a vereadora Edna Sampaio a indenizar deputado estadual Gilberto Cattani em R$ 3 mil.

O magistrado entendeu que ela caluniou o parlamentar ao acusá-lo de homofobia e determinou que ela apagasse as postagens contra ele nas redes sociais.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação