The news is by your side.

Queiroga: Não sou “despachante da Anvisa”

Da Redação

 

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, voltou a rebater críticas feitas à pasta sobre uma suposta demora para o início da vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a covid-19. A imunização do público infantil teve início na sexta-feira (14) em algumas cidades do país.

A pasta anunciou oficialmente que daria aval à vacinação das crianças no dia 5 de janeiro, três semanas depois de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ter autorizado a aplicação das doses pediátricas da Pfizer.

Em entrevista coletiva neste sábado (15), em João Pessoa (PB), Queiroga afirmou que a responsabilidade pela condução de políticas públicas na área sanitária é do Ministério da Saúde.

“Quantos medicamentos, dispositivos ou produtos têm registro na Anvisa e não fazem parte das políticas públicas? O Ministério da Saúde, o ministro da Saúde não é um despachante de decisão da Anvisa, nem de agência nenhuma”, disse.

“O Ministério da Saúde é quem conduz a saúde pública e o ministro da Saúde é a principal autoridade do sistema de saúde no Brasil”, prosseguiu Queiroga.

Ontem, o ministro da Saúde já havia subido o tom ao responder a ataques do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), pré-candidato do PSDB ao Palácio do Planalto e adversário do presidente Jair Bolsonaro.

Doria participou da vacinação da primeira criança brasileira contra a covid-19. Todos os imunizantes aplicados no Brasil, inclusive as doses pediátricas, foram totalmente adquiridos pelo governo Bolsonaro.

Pelas redes sociais, Queiroga disse que o tucano acha que essa postura “vai tirá-lo dos 3%”, fazendo referência à baixa intenção de voto do tucano na disputa pela Presidência da República. “Desista! Seu marketing não vai mudar a face da sua gestão. Os paulistas merecem alguém melhor”, escreveu.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação