The news is by your side.

Estado Islâmico afirma ter libertado 800 de seus prisioneiros em prisão síria

 

“Matamos dezenas de membros do PKK e libertamos centenas de prisioneiros (800) e as batalhas continuam Há três dias, foi realizado o ataque à grande prisão de Ghweran na província de Al-Hasakah (Síria) ”, afirma a agência Amaq, pertencente ao Estado Islâmico (Isis, Daesh) em nota publicada em seu canal Telegram.

Esta é a versão dos terroristas, mas, de qualquer forma, outras fontes dão conta da magnitude do ataque que ainda persiste. A libertação de presos é um dos grandes objetivos do Isis, pelo que significa elevar o moral de seus filiados e realizar atos de força com certa coordenação, como aconteceu durante 2020 no Congo e no Afeganistão.

“Combatentes do Estado Islâmico (terroristas) lançaram um ataque coordenado em larga escala na prisão de Gweran, que é administrada pela milícia PKK apoiada pelos EUA, e onde milhares de prisioneiros estão detidos desde o fim. da famosa batalha de Al-Baghouz. O ataque começou com o lançamento de dois homens-bomba, Abu Abd al-Rahman e Abu al-Farouq al-Muhajirin, com dois caminhões-bomba, que detonaram no portão da prisão e seus paredes causando grande destruição. no local, matando e ferindo “muitos dos soldados”, diz Amaq.

“Os combatentes invadiram a prisão depois de demolir e queimar partes dela. O resultado dos confrontos que acontecem no presídio e seus arredores somam mais de 200 milicianos mortos, incluindo o diretor do presídio e vários de seus comandantes de campo.”

“As batalhas continuam pelo terceiro dia consecutivo entre milícias e forças dos EUA e combatentes do Estado Islâmico que atualmente estão divididos em três seções, uma escondida dentro de edifícios prisionais; e outro, estende-se em seu entorno; e a terceira, está localizada nos bairros próximos ao presídio.”

“Quanto ao número de prisioneiros que quebraram suas correntes durante o ataque, os combatentes conseguiram libertar mais de 800 prisioneiros que saíram em lotes nos últimos dois dias”, afirma a agência Amaq.

 

La Razón

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação