The news is by your side.

Democracia à brasileira

 

(J.R. Guzzo, publicado no jornal Gazeta do Povo em 14 de fevereiro de 2022)

Se há uma coisa que não falta neste país hoje em dia é rigor extremado em “defesa da democracia” — obviamente, só nos casos em que se estima que a democracia está sendo colocada em risco pela direita e seus derivados. Só o ministro Alexandre Moraes, pessoalmente, mantém vivo e soltando fogo para todo lado um “Inquérito Perpétuo Para Salvar o Brasil de Atos Antidemocráticos” — já prendeu gente por conta disso, mandou o presidente da República depor numa delegacia de polícia e quer a Interpol correndo atrás de brasileiros nos Estados Unidos. O Ministério Público não pensa em outra coisa. A mídia, as classes intelectuais e as forças do “campo progressista” se escandalizam diariamente com atitudes de “direita” e com o que percebem como sendo uma ofensiva de “ideias nazistas”.

Todos eles, exatamente ao mesmo tempo em que se manifestam excitados em último grau com a “direita”, não dizem uma sílaba sobre atos como a invasão de uma igreja católica de Curitiba, durante a missa, por um vereador do PT e um grupo de delinquentes com bandeiras vermelhas. Era, segundo eles, um “protesto contra o racismo”. Ameaçaram os fiéis. Agrediram grosseiramente a liberdade de culto. Gritaram “viva Lula” e sua candidatura à Presidência. Isso é crime — ou não é? Se não for, o que seria, então, no entendimento do ministro Moraes, do MP e do Brasil que se escandaliza com o avanço do “nazismo”, da “extrema direita” e, mais do que tudo, talvez, com a possibilidade de perderem a eleição de outubro próximo?

Não faz nenhum nexo. Invadir uma igreja e interromper um ato religioso legítimo, plenamente assegurado pela Constituição Federal, e conduzido em paz, é um ato absolutamente antidemocrático — muito pior que o monte de bobagens que o STF procura e não consegue encontrar no seu inquérito sem fim. Porque, então, não se levanta uma palha contra os autores desse crime? O PT não fez sequer uma notinha desautorizando seu vereador e os malfeitores que estavam em sua companhia. Não aconteceu nada com ninguém. Todos estão se sentindo perfeitamente autorizados a fazer tudo de novo outra vez. Por que não? Está autorizado pela autoridade pública. Agredir um culto católico não é, na visão do Brasil civilizado-liberal-esquerdeiro que está aí, um “ato antidemocrático”.

Estamos da seguinte forma, portanto. No Brasil de 2022 é terminantemente proibido defender possíveis ditaduras de direita. É inteiramente lícito, ao mesmo tempo, defender ditaduras de esquerda e praticar atos de banditismo em seu nome.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação