The news is by your side.

Documentário ‘O Fim da Beleza’, que a esquerda quis censurar, vira um sucesso

Da Redação

A página Brasil para Lerdos promoveu uma campanha de censura ao documentário O Fim da Beleza, lançado recentemente pela produtora Brasil Paralelo. O filme discute, entre outras coisas, a decadência dos padrões estéticos no Ocidente. A obra chegou a ser exibida em algumas escolas e faculdades do país. Até que os militantes digitais entraram em cena.

“É inadmissível este tipo de conteúdo ser propagado em universidades públicas”, esbravejou a Brasil para Lerdos, no Twitter. “Conto com vocês para compartilhar e pressionar para impedir essa exibição.” A despeito da campanha, o filme foi exibido na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e os três episódios já ultrapassaram a marca de 1 milhão de visualizações.

O documentário da Brasil Paralelo é inspirado, em partes, na obra do filósofo Roger Scruton. Seu legado está fortemente vinculado à questão estética. Em vida, o escritor britânico quis entender o papel da beleza na vida diária, a maneira como os cidadãos comuns podem suportar o fardo da existência com pitadas de ritmo, melodia, harmonia, textura e forma.

O resultado dessa reflexão está no livro Beleza, publicado originalmente em 2009, na Inglaterra, e posteriormente traduzido para o português. As conclusões de Scruton caminham no sentido oposto da filosofia contemporânea, partidária apaixonada do relativismo estético. Para o escritor britânico, a beleza importa. E desprezá-la significa romper com os valores que foram construídos a ferro e fogo, durante milênios, pela civilização ocidental.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação