The news is by your side.

Farra com combustível, mineração e agronégocio são destaque na CPI, diz Wilson Santos

Da Redação

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB), presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, afirmou que uma das constatações da comissão, até agora, é a de que a sonegação é uma farra no Estado. A CPI investiga os setores de combustível, mineração, frigoríficos e o agronegócio.

“A CPI já constatou a farra que é a sonegação em Mato Grosso, e a ineficiência quase que completa da fiscalização sobre a área de combustíveis, especialmente por parte das usinas de etanol, além da farra total e solta como corre o setor da mineração no Estado. Também já comprovamos que o agronegócio tem práticas irregulares, sim, e desonestas com a política estadual. Tudo isso deve contar do relatório final da CPI, disse o parlamentar.

“Quanto a mineração, nós temos somente as informações dos mineradores. O Filadelfo Dias disse que de cada R$ 1 real arrecadado, R$ 10 são sonegados na área do ouro. O ex-prefeito Priminho Riva disse que para cada R$ 1 real arrecadado, de R$ 7 a 8 são sonegados. Os próprios mineradores admitem a inexistência da fiscalização e que o Estado perde muito dinheiro com isso”, afirmou Wilson

Para citar apenas um exemplo, o deputado disse que Filadelfo Dias afirmou à CPI que foram retirados do solo mato-grossense cerca de 45 toneladas de ouro da Serra do Caldeirão, em Pontes e Lacerda, e levadas para a Bolívia sem o pagamento de impostos devidos. A região foi alvo de invasões e operações nos últimos cinco anos.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação