The news is by your side.

Câmara aprova mudanças no ICMS; texto vai à sanção

Da Redação

Por 414 votos a 3, a Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quinta-feira (10), o projeto de lei que altera a regra de incidência do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias (ICMS) sobre os combustíveis.

O plenário da Casa aprovou o texto poucas horas depois do aval do Senado. Agora, a proposta segue para a sanção do presidente Jair Bolsonaro (PL). Mesmo criticando a proposta, os partidos de esquerda votaram em peso a favor.

Na live de hoje, Bolsonaro disse que, se os deputados aprovassem o projeto hoje, “a qualquer hora da noite ou da madrugada” assinaria a sanção. Segundo, ele a proposta poderá reduzir em cerca de R$ 0,60 o preço do litro do diesel.

O relator do projeto na Câmara, Dr. Jaziel (PL-CE), apresentou parecer favorável às mudanças do Senado, que prevê a incidência por uma única vez do ICMS sobre combustíveis, com base em uma alíquota fixa por volume comercializado e única em todo o país.

Mas retirou dois dispositivos que permitiriam aos Estados, por meio do Conselho de Secretários Estaduais de Fazenda (Confaz), ajustassem o ICMS, para baixo ou para cima, conforme a oscilação dos preços.

“Esses dispositivos, se aprovados, permitirão que ocorra justamente umas das distorções que a proposta pretende evitar, que é o repasse de grandes variações no preço do petróleo, a maioria das vezes temporárias e excepcionais, aos preços praticados aos contribuintes”, disse o deputado.

Projeto

Pela proposta, o ICMS, tributo estadual, passaria a ser um valor unitário cobrado sobre o litro de combustível, em vez de um percentual sobre o valor final da compra.

A porcentagem a ser cobrada será definida mediante deliberação dos Estados e do Distrito Federal. Ele deve ser uniforme em todo o território nacional, mas poderá ser diferenciado por produto.

O texto aprovado no Senado estabelece a chamada “monofasia” – ou seja, prevê que o ICMS, que é um tributo estadual, incidirá sobre os combustíveis uma única vez.

A mudança tenta acabar com o chamado “efeito cascata” verificado atualmente, em que o tributo incide mais de uma vez ao longo da cadeia de produção dos combustíveis.

O projeto teve origem na Câmara, onde foi aprovada em outubro do ano passado, mas como foi modificado no Senado, o texto retorna para a análise dos deputados.

Isenção de tributos

O texto também propõe que, durante 2022, serão reduzidas a zero as alíquotas do PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a produção ou importação de diesel, biodiesel, gás liquefeito de petróleo e querosene de aviação.

Em razão dessa renúncia de receita, o projeto dispensa medidas de compensação por meio de aumento de outras receitas ou corte de despesas, conforme exigido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação