The news is by your side.

Na questão energética, o Brasil está numa situação privilegiada, diz Veiga

Revista Exame

 

Fundador de uma das principais consultorias em energia do país, a PSR, Mario Veiga acompanha com atenção as repercussões da guerra na Ucrânia e seus impactos no mercado de energia.

Para Veiga, que foi CEO da PSR até 2018 e agora atua como Chief Innovation Officer, o preço do barril do petróleo a US$ 200 dólares depende de alguns fatores como, além da própria evolução da guerra, da dificuldade dos Estados Unidos em convencer produtores globais como Venezuela e Irã aumentarem a produção do óleo no atual cenário de escassez.

“Esta é uma tarefa complexa devido aos fatores politicos e, no caso da Venezuela, além do antagonismo com o governo, existem problemas técnicos na estrutura de produção de petróleo”, diz.

Veiga também aponta que, numa perspectiva de transição energética, o Brasil está em uma situação privilegiada por duas razões. “A primeira é que nossa matriz elétrica já é muito limpa, devido às hidrelétricas e, mais recentemente, às eólicas e solares. A segunda é que essas fontes limpas já são as mais econômicas”, diz.

Em 2020, o banco BTG Pactual (do mesmo grupo que controla a EXAME) anunciou uma parceria estratégia com a PSR, com a aquisição do controle da consultoria de energia pela holding do banco.

Leia a seguir a entrevista de Veiga:

Em um contexto de guerra comercial contra a Rússia, em função das sanções econômicas da  guerra, qual é a probabilide de o barril do petróleo subir a US$ 150 ou US$ 200? E quais os impactos econômicos desse cenário?

A probabilidade de preços de petróleo por volta de US$ 200 o barril depende de três fatores. O primeiro, obviamente, é a evolução da guerra. Por exemplo, o simples anúncio de negociações entre Rússia e Ucrânia resultou em uma redução do preço para abaixo de 100 dólares.

O segundo fator é o êxito dos Estados Unidos em convencer Arábia Saudita, Irã e Venezuela a aumentar a produção. Esta é uma tarefa complexa devido aos fatores politicos (afastamento entre Biden e sauditas, retomada do acordo nuclear com o Irã e levantamento das sanções) e, no caso da Venezuela, além do antagonismo com o governo, existem problemas técnicos na estrutura de produção de petróleo.

O terceiro fator é o boicote às exportações russas de petróleo e gás. É possível que o levantamento do boicote seja usado como elemento de negociação entre Rússia e Ucrânia.

Qual é o peso das dificuldades de logística mundiais intensificadas pela guerra em relação à volatilidade dos preços do petróleo?

Na situação atual o transporte do petróleo não tem sido um fator relevante. No caso de um acirramento das tensões, com ataques à infraestrutura de países da OTAN, poderia haver uma disrupção severa. Mas nesse caso, a catástrofe maior viria da ampliação dos conflitos em si.

O preço do gás natural, que já havia escalado por causa da pandemia, voltou a subir ainda mais com a guerra e as sanções à Rússia: o quão exposto o Brasil está ao risco de aumento de preço do gás natural em um contexto em que propostas para um novo desenho da matriz energética não avançaram?

O Brasil está em uma situação confortável com relação à segurança física de suprimento de petróleo e gás, devido à produção local. O dilema está no uso de preços internacionais para o mercado interno.

Uma discussão semelhante ocorreu na Europa com o aumento explosivo dos preços de eletricidade e gás antes da guerra, causado por uma combinação de fatores (redução atípica dos ventos, baixo estoque de gás etc.); todos os governos buscaram maneiras de proteger pelo menos em parte os consumidores deste aumento, com propostas de uma taxa sobre o lucro excessivo dos geradores (windfall profit), uso de fundos governamentais etc.

É necessário encontrar um equilíbrio entre manter a eficiência dos sinais de mercado e proteger os consumidores de um choque excessivo de preços, pois é difícil para a demanda se adaptar a mudanças bruscas (no jargão dos economistas, há baixa elasticidade da demanda no curto prazo).

Em termos globais, a transição para energias renováveis e limpas seria capaz de compensar num curtíssimo prazo a exclusão da Rússia do mercado de petróleo no Ocidente?

Não. A construção de parques eólicos, solares etc. leva tempo, pois envolve fabricação, licenciamento, logística de mineração de elementos como lítio para as baterias etc. A grande mudança potencial da transição energética resultante da guerra é a aceitação da energia nuclear como fonte.

Como sabemos, a geração nuclear não emite CO2 e é a fonte com maior densidade energética e escalabilidade. No entanto, também como sabemos, há forte oposição de movimentos ambientalistas e receio do público em geral com  relação à energia nuclear, pela associação com armas nucleares e eventos como Chernobyl.

No entanto, mesmo antes da guerra, tanto a Inglaterra como a França haviam indicado um interesse maior em explorar a energia nuclear. A França, em particular, é o país de maior proporção nuclear do mundo, mas mesmo lá a expansão da geração favorecia as nucleares. Após a guerra, como mencionado, se observa uma mudança de postura em muitos governos com relação ao tema, pois poderia ser um caminho para acelerar a independência do gás russo.

Quais oportunidades se colocam para o Brasil nessa busca pela transição energética em meio à guerra?

O Brasil está em uma situação privilegiada por duas razões. A primeira é que nossa matriz elétrica já é muito limpa, devido às hidrelétricas e, mais recentemente, às eólicas e solares. A segunda é que essas fontes limpas já são as mais econômicas. Em outras palavras, no Brasil os interesses econômicos e ambientais estão alinhados.

Uma possível oportunidade resultante da guerra é a produção de hidrogênio verde para exportação à Europa, que está sinalizando um aumento de interesse. O valor deste hidrogênio para o país pode ser alavancado pela produção de fertilizantes a partir da amônia. Como está no noticiário, a guerra mostrou que nosso agronegócio está vulnerável ao suprimento externo de fertilizantes.

Outro benefício potencial para o setor elétrico seria usar o hidrogênio como demanda flexível, isto é, no caso de problemas de suprimento a produção seria reduzida, em troca de uma determinada remuneração. Este processo de resposta da demanda é semelhante ao da produção de alumínio no passado, só que mais flexível.

Há entraves legais no Brasil para ampliar a exploração das energias limpas no Brasil?

Como mencionado, as energias limpas no Brasil já são as mais competitivas, e temos mecanismos para contratação das mesmas, como as licitações de contratos de suprimento. Além disso, já há incentivos para a geração distribuída.

Como avalia a atuação da Petrobras nesse momento, com o repasse de 18% no preço dos combustíveis?

A questão de preços de energéticos em situações de choque de suprimento é bastante complexa, e encontrar o melhor equilíbrio entre a eficiência dos sinais de mercado e amenizar os impactos para o consumidor é de responsabilidade do governo, não da Petrobras.

O Senado aprovou na quinta, 10/3, mudanças no ICMS para segurar os preços dos combustíveis. As PLs dos combustíveis serão capazes de minimizar o impacto da volatilidade dos preços nos postos de gasolina?

Isoladamente, não. Como visto na resposta anterior, é uma questão que requer um conjunto coordenado de ações por parte do governo.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação