The news is by your side.

Como é possível as construções da Roma Antiga ainda estarem de pé

 

“Marcus Agrippa, filho de Lucius, cônsul pela terceira vez, fez isso”. Quem já visitou Roma, e mais especificamente o imponente Panteão de Agripa, terá perdido seus pensamentos na praça onde se encontra o referido edifício. Sem dúvida, este templo romano construído entre os anos 118 e 125 dC. transmite perfeitamente ao visitante todo o peso (e ritmo) da história. Sua inscrição na frente é o testemunho de uma obra arquitetônica que procurou reunir todas as divindades (‘Panteão’, em latim significa “templo de todos os deuses”) que habitaram o mundo antigo. Um objeto fora do tempo, um legado de pedra e rocha que sobreviveu até nosso século, enchendo suas ruas adjacentes de turistas armados com tecnologia de ponta, fotografando sem parar esta construção colossal como se fosse parte de um sonho ou de um filme, um retorno visual ao passado mais remoto do coração de nossa civilização por aqueles que mais influenciaram quando se tratava de elaborar planos urbanísticos, dirigir campanhas militares ou lançar as bases da lei.

E, no entanto, lá está: de pé, imperturbável pela passagem de séculos e impérios, intocado pela destruição de guerras e desastres naturais. No entanto, não teve a mesma sorte alguns anos depois de ter sido erguido, pois o que vemos hoje é resultado de uma obra em ruínas, de um templo anterior que Marco Agripa mandou construir dois séculos antes e que foi destruído por um incêndio no ano 80 e depois por um raio em 110. Por isso às vezes podemos entender a história como se fosse caprichosa, mas no caso do Panteão é como se suas robustas fundações de concreto parecessem protegê-lo das inclemências de guerra ou naturais desde sua fundação.

Apesar das grandes inovações de engenharia, os cientistas ainda estão surpresos como os romanos da época puderam dar origem a construções como o Panteão. A maioria conclui que o segredo está na receita de cimento que usaram, que, apesar de não terem inventado, era durável e estável o suficiente para ser usada até hoje, tantos séculos depois. A partir de uma mistura de calcário cozido e triturado com rochas vulcânicas de diferentes tipos, os engenheiros romanos inventaram um concreto super-resistente com uma dureza que os cimentos modernos podem sofrer.

Um concreto único

Como explica Marie Jackson, geóloga da Universidade de Utah, em recente artigo da BBC sobre o assunto, o segredo está nas pedras vulcânicas utilizadas, que permanecem quimicamente ativas ao longo dos séculos, reforçando as pequenas rachaduras que podem se formar em sua superfície e evitando que um efeito dominó ocorra com eles em toda a estrutura “Os cimentos de hoje não são projetados para mudar quimicamente e, se o fizerem, terão um efeito negativo”, diz ele. “Os romanos queriam que seu concreto fosse reativo e escolheram um agregado vulcânico que regenerasse o material ao longo dos anos”.

Jackson é um dos principais especialistas em cimento romano do mundo. Em 2014 ela e sua equipe revelaram em um estudo a presença de etringita, um mineral muito especial encontrado em rochas vulcânicas que, quando adicionado às rochas calcárias, recobre as “zonas interfaciais” da camada de concreto, ou seja, aquelas mais propensas a rachaduras ou deterioração da superfície. No entanto, eles revisaram suas descobertas novamente e descobriram que não apenas o material permaneceu duro e firme graças a esse mineral, mas também a outro rico em potássio que surgiu em diferentes partes de Roma e que também tem origem vulcânica: a leucita.

Em outro estudo de 2021, eles descobriram que a leucita havia se dissolvido ao longo dos séculos, liberando o potássio em toda a estrutura de concreto, que inicialmente se pensava ser a causa de rachaduras como o cimento moderno. Mas esse potássio dissolvido, ao contrário do que aconteceria com o cimento de hoje, acabou funcionando como uma “cola química” que endurece a base do concreto, tornando-o mais resistente aos fenômenos naturais e às intempéries.

O mistério da cúpula

Nove metros de diâmetro através dos quais você pode ver os sete corpos celestes mais próximos da Terra de acordo com a estação do ano: Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, o Sol e a Lua. O óculo que preside a cúpula do Panteão filtra a luz para dentro e serve de ponto de união para este hemisfério de 5.000 toneladas sobre o qual foram escritos rios de tinta para tentar explicar aquela geometria perfeita que a mantém em pé sem a necessidade de qualquer elemento de fixação adicional. No seu interior, cinco filas concêntricas de 28 grelhas cada, número que os romanos veneravam pela sua perfeição, pois era obtido pela soma dos seus divisores naturais, exceto ele próprio (1+2+4+7+ 14).

Uma verdadeira maravilha da arquitetura antiga. (iStock)

Uma das explicações para argumentar como é possível que tal peso continue sendo suportado pela base está nas próprias grades. Sendo ocos e perfeitamente simétricos, reduziam a tensão de tração, ou seja, a força que se opõe ao estiramento de um corpo, tornando-o muito mais leve. No documentário ‘Roma: Construindo o Impossível’ eles corroboram essa teoria, além de voltarem às misturas que obtiveram com o concreto, neste caso adicionando cinzas pozolânicas, que gerou resistência à tração. E, nesse caso, a composição desse material é diferente nos seus níveis inferiores e superiores: os romanos aligeiravam a mistura com pedra-pomes em vez de usar travertino na parte mais alta, para que ficasse em pé.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação