The news is by your side.

Vereadora é investigada por promover ato de filiação ao PT na UFMT

Da Redação

A Procuradoria Regional Eleitoral de Mato Grosso abriu inquérito para investigar a vereadora por Cuiabá Edna Sampaio (PT) por propaganda eleitoral antecipada. A parlamentar é suspeita de patrocinar nas dependências da UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso) um ato de filiação em favor do Partido dos Trabalhadores (PT) visando atrair universitários para a política.

De acordo com a denúncia que motivou a abertura do inquérito eleitoral, o ato ocorreu próximo ao restaurante universitário (RU). Na ocasião, a vereadora petista ainda promoveu uma espécie de campanha antecipada em defesa da candidatuta de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República.

Tida como pré-candidata a deputada estadual nas eleições de outubro, Edna Sampaio usou o slogan “Lula lá e Edna cá”.

O Ministério Público Eleitoral informou que as investigações têm prazo de 30 dias, mas poderão ser prorrogadas pelo período de 90 dias.

A defesa da vereadora Edna Sampaio se posicionou por meio de nota. Ela destacou que o Supremo Tribunal Federal reconheceu que as universidades são espaços de “livre circulação de ideias” e os partidos políticos são instrumentos legítimos para isso.

Veja a íntegra:

Nota da assessoria jurídica da vereadora Edna Sampaio, em resposta às notícias que anunciam investigação da vereadora por ato de Filiação Partidária.

1. A Vereadora Edna Sampaio não convocou e não participou de ato para filiação partidária na UFMT.

2. Contudo, vivemos em um país democrático, no qual o Poder emana do povo, que o exerce de forma direta ou indireta por meio de seus representantes.

3. Os representantes políticos, exercem a representação através de partidos políticos, organismos lícitos e legítimos para os debates das diversas ideias sobre o exercício do Poder.

4. As Universidades são, por excelência, espaços de livre circulação de ideias e divulgação dos pensamentos e o Supremo Tribunal Federal por unanimidade assegurou essa liberdade na ADPF 548.

5. Portanto, inexiste materialidade de ilícito apta a ensejar qualquer investigação nesse sentido, sendo afirmações em outro sentido, tentativas de criar narrativas de criminalização do legítimo direito da esquerda fazer política. 

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação