The news is by your side.

O novo ouro negro

 

Recentemente, passei alguns dias em Dubai-on-Thames, anteriormente conhecida como Londres. A margem sul do rio foi transformada por edifícios de vidro e aço, de segunda categoria mesmo para os exigentes padrões de segunda categoria de, digamos, um Mies van der Rohe. Parece que foram construídos para durar no máximo algumas décadas, para serem derrubados e substituídos por algo igualmente ruim, o equivalente arquitetônico da obsolescência planejada; eles não podem envelhecer, mas apenas se deteriorar, o que é algo que eles fazem muito bem e rapidamente, às vezes até antes da conclusão. Seu único caráter é sua desumanidade e impessoalidade: isso é arquitetura para loucos e psicopatas.

Fui à antiga Tate Gallery, como costumava ser chamada, para ver a exposição de William Hogarth intitulada Hogarth and Europe. As Tate Galleries — agora são quatro — são dirigidas pela Dra. Maria Balshaw, e se você quiser saber como a elite cultural britânica se tornou degradada, não posso recomendar a pequena conversa da Dra. Balshaw no YouTube o suficiente, pois ela dirá você tudo o que você precisa saber sobre esse assunto. Que alguém capaz de proferir tal disparate seja nomeado (com a aprovação do primeiro-ministro!) para um cargo de tal importância demonstra que o país há muito ultrapassou o ponto sem retorno no que diz respeito à sua decadência.

Era de se esperar, suponho, que a exposição de Hogarth fosse acompanhada de comentários racistas, isto é, comentários obcecados por raça a ponto de fazer o Dr. Verwoerd corar. Nenhuma ocasião é perdida para bater uma mensagem, como em uma ditadura totalitária. Aqui, por exemplo, está parte do comentário que acompanha o magnífico auto-retrato de Hogarth:

“Hogarth está sentado em uma cadeira de estilo colonial americano, mais tarde conhecida pelos antiquários como a ‘cadeira Hogarth’. Neste autorretrato, Hogarth se inclina para frente, animado e em movimento. Não é estranho que ele refreie esse dinamismo sentando-se? Se você vê a cadeira como uma tese apoiando seu trabalho, talvez não…. A cadeira é feita de madeiras trazidas das colônias, por meio de rotas que também transportavam escravizados. A cadeira também poderia substituir todas aquelas pessoas negras e pardas sem nome, possibilitando a sociedade que apóia sua vigorosa criatividade?”

Este foi escrito por Sonia E. Barrett, escultora e membro da Royal Society of Sculptors, em cujo site lemos o seguinte sobre ela:

 

“Sonia E. Barrett realiza composições de plantas, animais, elementos e pessoas para criar intervenções que presenciem sua objetivação e mercantilização, ela também pensa em como mudar percepções de fenômenos na ‘natureza’ que são dados. O trabalho procura criar novas questões onde havia uma espécie de certeza que tem a ver com a hegemonia dos valores normativos da Europa Ocidental…. Seu trabalho desfaz as fronteiras entre o determinado e o determinante com foco em raça e gênero. Ela faz trabalhos escultóricos para poder passar as mãos pelas fissuras e manifestar estratégias para múltiplas existências compatíveis e de luto.”

Em um mundo sensato, o escritor disso seria acusado de crimes contra a língua inglesa e proibido de escrever novamente. Mas apenas porque uma linguagem como a acima é quase incompreensível, isso não significa que seja sem função. Mistifica, para melhor extrair fundos públicos para apoiar aqueles que querem brincar de ser artistas, que “fazem composições”, “criam intervenções” e “presenciam sua objetificação”, enquanto focam (surpresa, surpresa) raça e gênero. Nenhum burocrata das artes quer admitir que essas declarações pomposas e profundas não lhe transmitem nada ou se atrevem a reter fundos públicos daqueles que afirmam “focar em raça e gênero”, por medo de serem rotulados de inimigos do povo.

George Arnold era um comerciante de sucesso, cujo retrato foi pintado por Hogarth. Ele olha para fora com inteligência concentrada: imagina-se que ele é obstinado, mas não necessariamente implacável, nos negócios, um homem que não é facilmente desviado de seus objetivos. O comentário que acompanha a exposição diz que ele era membro de uma classe, muitos dos quais estavam envolvidos no tráfico de escravos. Não há evidências oferecidas de que Arnold estivesse tão engajado, mas evidentemente havia uma determinação dos curadores de abordar o assunto por bem ou por mal. Quanto às qualidades estéticas do quadro, não havia uma única palavra.

O fato é que os apparatchiks da arte no mundo moderno não se importam nem um pouco com a beleza. Eles podiam olhar para o Taj Mahal e ver apenas a injustiça de Shah Jahan ter empregado 20.000 artesãos por muitos anos para construir um túmulo inútil para uma esposa favorita, Mumtaz, enquanto o campesinato passava fome. A injustiça social e a misoginia poderiam ir além disso, um vasto monumento a um amor polígamo? Certamente deve ser hora de demoli-lo?

A obsessão não se limita ao mundo da arte, é claro. As revistas médicas estão cheias disso. Parece, além disso, um desejo obsessivo no exterior de que as pessoas expressem e exibam sua nobreza, como se a elocução fosse nove décimos (se não mais) de virtude. Aqui está, por exemplo, o que está inscrito na vitrine de um novo café prestes a abrir na minha pequena cidade:

“Quem disse que o tempo não espera homem nenhum se enganou
O tempo vai esperar
Para descansarmos e nos recuperarmos
Da dor, abuso, trauma e injustiça
Aproveitar o tempo para curar não é desistir”

E continua essa semi-oração açucarada que me deu vontade de jogar um tijolo pela janela. As pessoas que imaginam que esse tipo de lixo conta como pensamento genuíno concebem a dor e o abuso, etc., como nada mais que uma oportunidade de exercitar sua compaixão teórica em público. Sem dúvida, uma vida totalmente livre de sofrimento é inconcebível, mas quem escreveu esse absurdo chafurda no sofrimento dos outros como hipopótamos chafurdam na lama.

O Salmo 84 diz:

“Bem-aventurado o homem cuja força está em ti; em cujo coração estão os teus caminhos. Quem passa pelo vale da miséria o usa para um poço.”

A miséria, passada, presente e futura, é o novo ouro negro, um recurso inesgotável a ser explorado por empresários políticos e burocratas de instituições de arte financiadas pelo Estado.

 

Theodore Dalrymple é médico psiquiatra e escritor. Aproveitando a experiência de anos de trabalho em países como o Zimbábue e a Tanzânia, bem como na cidade de Birmingham, na Inglaterra, onde trabalhou como médico em uma prisão, Dalrymple escreve sobre cultura, arte, política, educação e medicina. 

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação