The news is by your side.

Bolsonaro ultrapassa Lula dentro da margem de erro em SP, aponta Paraná Pesquisas

Da Redação

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) estão dentro da margem de erro no Estado de São Paulo. É o que aponta a pesquisa do instituto Paraná Pesquisas, divulgado na manhã deste sábado (30).

A pesquisa, contratada pela BGC Liquidez Distribuidora de Títulos Imobiliários, foi realizada com 1820 pessoas em 78 municípios do Estado de São Paulo no período de 24 a 29 de abril de 2022. A margem de erro é de 2,3%.

Cenário 1 – Pesquisa estimulada

No primeiro cenário com a pesquisa estimulada aponta para Jair Bolsonaro (PL) com 35,8%; Lula (PT), tem 34,9%; João Doria (PSDB), 5,5%; Ciro Gomes (PDT), 5,4%; Simone Tebet (MDB), 1,9%; André Janones (Avante), 1,2%; Luciano Bivar (UB), 0,6% e Luiz Felipe d’Avila (Novo), 0,6%. Brancos, nulos ou nenhum acumulam 9,7%; não sabem ou não responderam soma 4,3%.

Ainda na pesquisa estimulada, Bolsonaro se destaca entre os eleitores com idades entre 25 a 34 anos (36,8%), entre 35 a 44 anos (38,2%), entre 45 a 59 anos (40,5%). Já Lula (PT) tem mais eleitores entre os públicos de 16 a 24 anos (41,7%) e entre 60 anos ou mais (38,9%).

Entre os eleitores que tem o ensino fundamental, Lula sai na frente com 48,5%, enquanto Bolsonaro tem 24,7%. Os eleitores do ensino médio, o candidato do PL se destaca com 42,1% frente aos 31,5% do petista. E os votantes que possuem o ensino superior, Jair Bolsonaro fica na frente com 41,2%, enquanto Lula tem 27,6%.

Já entre os eleitores com religião, os 38,1% dos católicos votariam em Lula, enquanto 35,6% votariam em Bolsonaro. Entre os evangélicos, Bolsonaro (41,7%) fica à frente de Lula (30,6%). E eleitores que possuem outras religiões ou não tem, Lula sai na frente com 34,4%, e Bolsonaro tem 31,5%.

Cenário 2 – Pesquisa estimulada

No segundo cenário da pesquisa estimulada, quando Eduardo Leite (PSDB) é substituido por João Doria (PSDB), a pesquisa mostra que a polaridade entre Bolsonaro (36,5%) e Lula (35,6%) se mantém e o cenário entre os outros candidados pouco se modifica.

Ciro Gomes tem 5,7%; Eduardo Leite tem 3,5%, Simone Tebet conquista 1,8%, André Janones tem 1,2%; Luciano Bivar e Luiz Felipe d’Avila têm 0,6%. Votos branco, nulo ou em nenhum somam 9,9%; não sabe ou não responderam acumulam 4,5%.

Pesquisa espontânea

Na pesquisa espontânea, Jair Bolsonaro (PL) tem 22,1%; Lula (PT) tem 20,7%; Ciro Gomes (PDT), 1,5%; Sérgio Moro (UB), 1%; João Doria (PSDB), com 0,7%; Simone Tebet (MDB), 0,4%; André Janones (Avante) e Eduardo Leite (PSDB) 0,1% cada; e outros candidatos citados somam 0,2%. Não sabe ou não responderam somam 42%; Nenhum, branco e nulo somam 11,1%.

Pesquisa comparativa: votos de Moro são transferidos para Bolsonaro

Ja na pesquisa comparativa, o candidato do PL cresce mais superando o candidato do PT entre abril e maio. Segundo o Paraná Pesquisas, Jair Bolsonaro (PL) tem 31% em abril, sobe para 35,8% em maio; enquanto Lula (PT) passa de 34,1% em abril, para 34,9% em maio. João Doria (PSDB) sobe de 3,6% em abril, para 5,5% em maio; Ciro Gomes (PDT), sobe de 4,2% em abril, para 5,4% em maio; Simone Tebet (MDB), tem 0,8% em abril, para 1,9% em maio; André Janones (Avante), com 0,7% em abril, para 1,2% em maio.

Luciano Bivar (UB) não pontuou em abril, e em maio marcou 0,6%; Luiz Felipe d’Avila (Novo) tinha 0,2% em abril, e passou para 0,6% em maio; e Sérgio Moro (UB) tinha 9,7% em abril, não pontuou em maio. Com isso, mostrando que a distribuição de votos de Sérgio Moro beneficiou principalmente Jair Bolsonaro.

Cai desaprovação da gestão de Bolsonaro

Ainda na pesquisa do Paraná Pesquisas, a avaliação da administração do presidente Jair Bolsonaro (PL), segundo a visão dos entrevistados em São Paulo, teve uma queda na desaprovação entre abril e maio.

O levantamento mostra que 51,8% dos entrevistados em São Paulo desaprovam a gestão do chefe do Executivo nacional. Já 43,3% aprovam a administração. Não sabem ou não opinaram somam 4,9%.

Na pesquisa estimulada, Bolsonaro tem 33,1% na avaliação entre ‘Ótima’ (14,8%) e ‘Boa’ (18,3%). Ja quem considera a gestão do presidente da República ‘Ruim'(8,3%) ou ‘Péssima’ (36,1%) somam 44,4%. Não sabe ou não opinaram somam 1,4%.

No comparativo, Bolsonaro teve leve evolução na avaliação da sua gestão. Entre abril e maio, respectivamente, o presidente teve sua gestão avaliada como Ótima (13,7% passando para 14,8%); Boa, com 16,2% passando para 18,3%; Regular, mantendo 21,2% nos dois meses levantados; Ruim, com queda de 9,6% para 8,3%; Péssima caindo de 38,5%, para 36,1%. Não sabe ou não opinaram cresceu de 0,9% para 1,4%.

Ainda neste levantamento, a aprovação ao mandato do presidente subiu de 40% em abril, para 43,3% em maio, enquanto a desaprovação cai de 55,1% em abril, para 51,8%. Não sabe ou não opinaram manteve 4,9%.

1820 eleitores foram entrevistados em 78 cidades do Estado de São Paulo. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR-07854/2022.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação