The news is by your side.

Estupidez aprendida

 

Enquanto escrevo isso, a Alemanha está fechando suas usinas nucleares, e me lembro de uma frase nas memórias de Shostakovich, inclusive da vida sob Stalin: “Um grande evento cultural, como o fechamento de um teatro”.

Há quem veja por trás do fechamento uma trama russa sinistra, a sra. Merkel – dizem eles – há muito tempo é uma agente russa (ela cresceu na República Democrática Alemã, foi um membro proeminente do movimento juvenil comunista e aprendeu fluentemente russo ). Quanto menos poder a Alemanha gera para si mesma, mais dependente ela se torna da Rússia. Mas essa hipótese é redundante: tudo o que era necessário para que tal decisão fosse tomada era um movimento militantemente hipócrita de pirralhos mimados que nunca conheceram dificuldades, independentemente da história recente de seu país.

A decisão de fechar as usinas foi tomada em 2011, na sequência do desastre de Fukushima causado por um terremoto e seu subsequente tsunami, um “desastre” que causou dezesseis feridos e pelo menos uma morte por câncer provocada pela radiação. Como disse Bismarck, não se pergunta como são feitas as salsichas ou a política.

Seja como for, uma vez que a decisão foi tomada, os alemães se apegaram a ela, ignorando as mudanças nas circunstâncias mundiais. É como se as decisões, uma vez tomadas, fossem escritas em tábuas de pedra. Talvez o aspecto mais estranho da decisão tenha sido que a Alemanha continua gerando uma proporção considerável, mais de um quarto, de sua eletricidade a partir de carvão marrom, uma fonte infinitamente mais poluente que a geração nuclear. Se o lobby dos hipócritas estivesse realmente interessado na pureza do ar, eles teriam pressionado pelo fechamento das usinas de carvão marrom em vez das usinas nucleares; mas os símbolos são muitas vezes mais importantes para as pessoas, especialmente para aquelas que são escravas de uma ideologia, do que qualquer realidade concreta. E nada simboliza melhor a arrogância da Humanidade (como os ecologistas a chamariam) do que as centrais nucleares. As centrais de linhite, por outro lado, são muito menos potentes simbolicamente, por mais poluentes que possam ser na realidade. Quando o simbolismo entra em conflito com o realismo, o simbolismo sempre vence, pelo menos entre a intelligentsia. E nas sociedades modernas são eles, os intelectuais, que contam.

Não requer agentes do FSB – a nova KGB – para que os países adotem políticas energéticas tolas. A Grã-Bretanha é pelo menos tão tola quanto a Alemanha a esse respeito. Embora sua contribuição para o aquecimento global seja insignificante – mesmo assumindo que a hipótese do aquecimento global antropogênico seja verdadeira – e não faria diferença para todo o processo se ele, o país inteiro, desaparecesse da face da terra, seu governo decidiu que não explorará suas reservas de petróleo ou gás natural, mas eletrificará todos os veículos e aquecimento doméstico em nome da salvação do planeta, no processo esmagando os pobres com novas cargas que eles mal podem pagar (não, é claro, que eles sempre gastam seu dinheiro com sabedoria). Quando um dos súditos de Luís XIV disse: “Mas, senhor, eu tenho que viver”, o monarca respondeu: “Não vejo necessidade.

As considerações estratégicas também lhe foram completamente estranhas. Para economizar um pouco, terceirizou as instalações de armazenamento de gás do país. Negligenciou a substituição das antigas usinas nucleares do país (nunca se poderia imaginar que a Grã-Bretanha foi o primeiro país do mundo a gerar eletricidade dessa maneira). Não tem planos para lidar com desabastecimentos ou emergências, como se nunca tivessem existido tais coisas na história do mundo. Existe agora a possibilidade muito real de uma falta de energia se os próximos meses se mostrarem muito frios, mas ainda assim o líder notório do governo se preocupa com o destino a longo prazo do mundo. É muito mais fácil lidar com isso porque requer a manipulação de símbolos de longo prazo, em vez de realidades de curto prazo, mas intratáveis.

Algum tipo de loucura parece ter dominado grande parte do mundo ocidental, sem dúvida com graus variados de severidade e com diferentes poderes de recuperação. Os chineses poderiam dizer que o mandato do céu foi retirado dele, os gregos teriam dito que os deuses estavam nos enlouquecendo como um prelúdio para nossa própria destruição. Em quase todos os lugares que se olha, há sinais de frivolidade – o que, é claro, não é incompatível com a máxima seriedade.

O psicólogo americano Martin Seligman introduziu a noção de desamparo aprendido como explicação da depressão mental. Uma pessoa desenvolve o desamparo aprendido quando é submetida a situações desagradáveis ​​que não pode fazer nada para evitar. Ele generaliza seu desamparo para situações desagradáveis ​​sobre as quais pode fazer alguma coisa, de modo que age como se estivesse desamparado quando não está.

Eu gostaria de estender esta observação a uma condição de estupidez aprendida, isto é, a estupidez de pessoas que não carecem de inteligência, mas que, no entanto, tomam decisões estúpidas que pessoas de inteligência menor ou mesmo muito menor podem ver ao mesmo tempo serem estúpido. A estupidez aprendida explica como e por que pessoas altamente inteligentes, diante de uma escolha, escolhem repetidamente uma opção estúpida, se não a mais estúpida, vez após vez.

Para que as pessoas aprendam a ser estúpidas nesse sentido, elas devem passar por uma longa educação ou treinamento e ser obrigadas a praticar atos ou realizar procedimentos que não envolvam sua inteligência e possam até ser repugnantes a ela, ao mesmo tempo em que estão sob vigilância para conformidade. Os políticos geralmente cumprem essas condições. Eles não estão sozinhos nisso, longe disso: uma boa parcela da população em geral também preenche essas condições. As pessoas que são selecionadas pela inteligência e depois negadas o uso dela são particularmente propensas a se tornarem estúpidas.

Os políticos são negados, ou negam a si mesmos, o uso de sua inteligência por sua necessidade de bajular, não necessariamente a maioria, mas pelo menos as minorias mais expressivas. É uma propensão humana vir a acreditar no que se é obrigado, seja por interesse próprio ou em virtude de sua subordinação a uma hierarquia, a dizer. Por isso, na minha vida profissional, ouvi tantas pessoas inteligentes argumentando apaixonadamente pelos absurdos mais evidentes, com toda a aparência de acreditar neles.

 

Theodore Dalrymple é médico psiquiatra e escritor. Aproveitando a experiência de anos de trabalho em países como o Zimbábue e a Tanzânia, bem como na cidade de Birmingham, na Inglaterra, onde trabalhou como médico em uma prisão, Dalrymple escreve sobre cultura, arte, política, educação e medicina. 

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação