The news is by your side.

André Mendonça atende governo e veta decisão dos Estados sobre ICMS do diesel

Da Redação

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça atendeu ao pedido do governo federal e concedeu liminar que suspende as decisões estaduais sobre o ICMS que incide sobre o óleo diesel. As novas regras haviam sido definidas pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e entrariam em vigor em 1º de julho. A liminar ainda deve ser analisada no plenário do STF. Mendonça argumentou que duas cláusulas do convênio do Confaz violam os dispositivos constitucionais apontados pelo governo federal, como o da uniformidade entre os Estados, e que é necessário construir um consenso, para uma “solução perene e efetiva”. O ministro ainda solicitou informações ao Confaz, à Câmara dos Deputados e ao Senado Federal, com prazo de cinco dias, e deu o mesmo tempo para que a Advocacia-Geral da União (AGU) e a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestem.

O ICMS é um imposto estadual, mas em março de 2022, uma lei aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) definiu que deverá haver uma alíquota única na taxa que incidir sobre o óleo diesel. Antes, a cobrança era feito a partir de um percentual e cada unidade federativa tinha autonomia para determinar qual seria. Agora, o valor deve ser fixo para todas, e houve acordo entre secretários da fazenda estaduais para que fosse de R$ 1,006 por litro do diesel S10, o tipo mais usado. A decisão do Confaz permitia que os Estados dessem descontos em busca dessa equalização tributária, o que alteraria a uniformidade. Por isso, a AGU questionou a decisão no STF.

“A forte assimetria das alíquotas de ICMS enseja problemas que vão muito além da integridade do federalismo fiscal brasileiro, onerando sobretudo o consumidor final, que acaba penalizado com o alto custo gerado por alíquotas excessivas para combustíveis —que são insumos essenciais, e, por isso, deveriam ser tratados com modicidade— e com a dificuldade no entendimento da composição do preço final desses produtos”, afirmou a AGU no pedido enviado STF.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação