The news is by your side.

Isto é o que acontece com o cérebro dos astronautas quando estão na Terra

Os astronautas devem estar em condições físicas invejáveis para poder vigiar a Terra da Estação Espacial. Naturalmente, seus corpos têm que se ajustar a uma vida muito diferente daquela a que estamos acostumados em nosso planeta, e é por isso que é tão importante que eles estejam em um estado ideal.

A última avaliação do efeito de deformação da microgravidade em nossa biologia se concentrou nos espaços que cercam os vasos sanguíneos que tecem nossos cérebros, revelando mudanças preocupantes nos astronautas. Pesquisadores dos Estados Unidos compararam uma série de imagens de ressonância magnética (MRI) de 15 cérebros de astronautas, tiradas antes de passar seis meses na Estação Espacial Internacional e seis meses após seu retorno, relata o Science Alert.

Usando algoritmos para avaliar os tamanhos dos espaços perivasculares (lacunas no tecido cerebral que facilita o equilíbrio de fluidos), a equipe descobriu que o tempo gasto em órbita tem um efeito profundo no ‘encanamento’ do cérebro, pelo menos nos novatos. Entre o grupo de astronautas veteranos, parecia haver pouca diferença nos tamanhos dos espaços perivasculares nas duas varreduras feitas antes da missão e nas quatro feitas depois. Segundo fontes do estudo, eles poderiam ter alcançado algum tipo de homeostase.

O cérebro fica distorcido quando a força constante da gravidade é cancelada. Estudos anteriores de tecidos cerebrais e seus volumes de fluido descobriram que eles se recuperam lentamente de um período no espaço, com algumas mudanças persistindo por um ano ou mais. Na realidade, os astronautas raramente fazem mais do que algumas viagens ao espaço em suas vidas, eles apenas passam muito tempo no espaço (cerca de seis meses), embora isso possa mudar no futuro.

Vale a pena saber se as viagens repetidas agravam os danos ou se as mudanças experimentadas nessa primeira viagem adaptariam temporariamente os astronautas a um novo tipo de normalidade. A natureza não colocou nossos cérebros nos pés, mas na cabeça, por algum motivo. Mesmo no cenário de espaços perivasculares expandidos, ainda não está totalmente claro se a troca traz algum risco à saúde.

Costumamos aproveitar ao máximo esse sistema de drenagem neurológica quando dormimos. O fluxo de fluidos ao redor de nossa massa cinzenta parece desempenhar um papel importante na remoção de resíduos que se acumulam durante nossas horas mais ativas. Sem esses canais funcionando de forma eficiente, materiais disruptivos podem se acumular, contribuindo potencialmente para o aumento dos riscos de distúrbios neurodegenerativos como o Alzheimer.

É muito cedo para saber se a microgravidade tem algum impacto na circulação do líquido cefalorraquidiano em torno de nossas cabeças, muito menos se as mudanças nas formas da rede de canais são significativas. Pode nem se tornar aparente até que os pesquisadores tenham uma amostra de bom tamanho de astronautas veteranos com uma carreira substancial em seus currículos.

Ao estudar as mudanças sutis na saúde e na anatomia sob condições que nunca evoluímos para suportar, quase certamente aprenderemos mais sobre as doenças e distúrbios que nossos corpos foram forçados a suportar aqui.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação