The news is by your side.

Xenoimplante: Sim, isso aconteceu, transplantar testículo de macaco para garantir a juventude


Durante a década de 1920, o médico Serge Voronoff se dedicou a realizar uma série de cirurgias estranhas e, o que é mais surpreendente, as colocou na moda. O procedimento foi relativamente simples: ele pegou os testículos de um macaco e os inseriu no corpo de um humano. As pessoas faziam fila para se colocar nas mãos do Dr. Voronoff, mas não por capricho. A razão era muito mais profunda, porque com essas operações o médico russo prometia “curar” a velhice. A juventude eterna parecia possível e consistia em testículos de macaco.

Um professor de prestígio

A fama de uma pessoa nem sempre depende de sua carreira, às vezes (pelo menos no começo) é baseada na fama de seus professores. Em parte, essa é uma das razões pelas quais estudantes de doutorado sob a tutela de um ganhador do Prêmio Nobel tendem a ganhar o mesmo prêmio com mais frequência do que outros pesquisadores. No caso do russo, teve como professor um dos médicos mais famosos do século passado, o fisiologista Brown-Séquard. Suas contribuições para o estudo do funcionamento da medula espinhal e da circulação extracorpórea foram decisivas e lhe renderam uma reputação que perdurou por toda a vida e permeou seus alunos mais próximos.

Voronoff havia saído da Rússia para estudar medicina na França e lá conheceu o famoso fisiologista. Ele logo se colocou sob suas ordens e estabeleceu um bom relacionamento com ele. No entanto, o caminho de Voronoff não estava mais em outro país, mas em outro continente. Ele decidiu se mudar para o Cairo e se dedicar à medicina lá. Pode parecer um detalhe sem importância, mas a história de um sábio que viaja por terras exóticas até encontrar o conhecimento arcano é recorrente porque funciona. Voronoff retornou à Europa uma década depois com um conhecimento que poderia mudar o futuro da humanidade.

O segredo dos eunucos

No Egito, ele teve oportunidade de conhecer eunucos. Machos adultos que, quando crianças, foram castrados. Voronoff ficou impressionado com o fato de não ser necessário explorar as intimidades de um eunuco para conhecer sua condição, todos eles pareciam ter certas características físicas comuns. Eles eram propensos à obesidade (da mesma forma que os animais castrados), à calvície, má musculatura, problemas de memória, ou seja: pareciam envelhecer muito jovens. Claro, esse conjunto de eventos pode ser interpretado de muitas maneiras diferentes, então o mais prudente seria suspender nosso julgamento até que mais evidências sejam encontradas. No entanto, o trabalho de Voronoff foi diferente e ele não hesitou em estabelecer uma hipótese clara: os testículos eram os responsáveis ​​pela manutenção da juventude.

Do ponto de vista de Voronoff, era claro. Quando as gônadas de um bebê eram removidas, ele começava a envelhecer rapidamente, de modo que os testículos devem ter desempenhado um papel na prevenção da decrepitude precoce. De volta à Europa, trabalhando novamente com seu antigo professor, Voronoff e Brown-Séquard refinaram um pouco mais a hipótese. Eles argumentaram que, especificamente, a chave estava nos hormônios produzidos pelos testículos. Com a idade eles diminuíram, fazendo com que envelhecêssemos, da mesma forma que ao extrair os testículos eles desapareciam abruptamente. Sua teoria endócrina deu origem a uma terapia experimental não adequada para todas as sensibilidades.

Longe das sofisticadas preparações farmacêuticas que temos em nossos tempos, eles decidiram pegar o esperma e injetá-lo diretamente no sangue. Eles o testaram primeiro em cobaias e devem ter visto algo, porque logo começaram a usá-lo em humanos. Os “sucos sequardianos”, como eram chamados, cresceram rapidamente em popularidade. Tanto que surgiram substitutos não confiáveis ​​que eram feitos com todos os tipos de fluxos obtidos de animais vivos ou mortos. Era uma técnica tão perigosa que parece loucura alguém cair nela, mas caíram, porque nesse caso a moda veio da aparente autoridade que emana das pessoas de jaleco branco.

Para Voronoff, isso foi um sucesso e possivelmente uma porta de entrada para a grandeza, então ele pensou em como melhorar o produto. As injeções pareciam funcionar, mas seu efeito durava apenas enquanto o sêmen permanecia no sangue. Ele precisava de algo mais permanente. Afinal, os jovens tinham testículos funcionais que faziam questão de manter os hormônios mais ou menos constantes. Então, por que não transplantar essas fontes de eterna juventude para um corpo envelhecido? Assim pensou e assim fez. Voronoff começou a operar velhos ricos para introduzir testículos jovens em seus corpos, especificamente os de presos condenados e executados. Esses não foram os primeiros experimentos de Voronoff, longe disso. Antes de se aventurar em humanos, fez o mesmo com animais e até tentou outras técnicas do momento, como desviar o fluxo dos testículos diretamente para o sangue. No entanto, o caminho estava no transplante humano, mas ainda havia outro rumo a ser dado.

De bandidos a macacos

A imprensa apresentou Voronoff como um sucesso sem precedentes e, por mais caro que fosse seu tratamento, sempre parecia haver mais milionários buscando a eternidade do que presos executados. Ele precisava de outra forma de obter testículos e uma série de coincidências o levaram à resposta: macacos. Naquela época, criar macacos como se fossem galinhas e depois abatê-los ou mutilá-los não despertava muitos escrúpulos. A bioética é algo que, infelizmente, não decolou até que vimos as atrocidades da Segunda Guerra Mundial, então o destino de algumas dezenas de macacos não incomodou ninguém.

Claro, esses tratamentos não foram nem um pouco eficazes. O aparente rejuvenescimento pode ser devido ao ataque do nosso sistema imunológico, preocupado com a introdução de um corpo estranho que não reconhece como seu, seja sêmen no sangue ou órgão de um animal (um xenoimplante). Essas “defesas” poderiam produzir, entre outras coisas, uma inflamação generalizada que suavizaria as rugas do rosto. No entanto, isso explica muito pouco, e as consequentes reações imunes a esses processos tendiam a ser muito mais graves e até fatais. A verdadeira origem desses supostos benefícios foi pura sugestão, nem mais nem menos. Voronoff viu o que queria ver. Ele foi exposto ao ridículo e afundou sua carreira.

Observar esses fatos, mesmo sabendo que eram absurdos, nos ensina sobre os dias atuais. Pode parecer estranho que haja tanta desinformação e pseudociência na era da “informação”. Sempre existiram ideias estranhas que foram vendidas como ciência, mesmo que não passassem de fantasia. É em parte nossa responsabilidade aprender a traçar a fronteira entre uma coisa e outra, mas não é ruim lembrar que, há alguns anos, a pseudociência chegou até mesmo às salas de cirurgia.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação