The news is by your side.

Consequências invisíveis da mentira: ela deteriora sua capacidade mental

 

Acredite ou não, mentir não é o mais comum. Em geral, qualquer pessoa prefere dizer a verdade a inventar uma mentira. É uma tendência clara, demonstrada cientificamente por estudos como o realizado por Timothy Levine, psicólogo da Universidade do Alabama em Birmingham, que é direto: a maioria das pessoas não mente muito.

Ok, isso não significa que nunca fazemos isso. Todos nós já passamos por esse caminho em algum momento. Há infinitas razões para mentir, algumas mais gentis do que outras: às vezes fazemos isso para parecermos melhores. Às vezes é uma desculpa simples para sair do problema ou para evitar ferir os sentimentos de outra pessoa.

Levine estuda o engano há anos. Em uma de suas últimas investigações, quase três quartos das pessoas observadas raramente mentiam. Além disso, 90% das mentiras que eles conseguiram contar eram o que conhecemos como “mentiras brancas”.

No entanto, este estudo também revelou que, embora a maioria das pessoas não minta com frequência, algumas mentem muito. Parece que a importância social gerada pelo valor da honestidade atrelado à confiança não delimita muito essa minoria.

Eles são apenas 1% do total, mas contam mais de 15 mentiras por dia. Eles são conhecidos como mentirosos crônicos, mas no fundo são apenas inseguros. Embora essa não seja a única questão que leva alguém a trapacear: há vaidosos, egoístas ou com tendência a, por exemplo, roubar.

O que essas pessoas podem não saber é que estão fazendo seu cérebro trabalhar mais do que o necessário. Afinal, a verdade ainda é um mecanismo mental direto, pelo óbvio, enquanto mentir é uma decisão consciente que exige o esforço de construir outra história. Em qualquer situação, qualquer tipo de mentira é um trabalho extra.

Dito de outra forma: quando você diz a verdade, seu cérebro não precisa fazer nada fora do comum. Você pensa o que quer dizer e diz. Não há manobras. Quando você mente, as coisas mudam, especificamente em uma região do cérebro chamada córtex pré-frontal.

Como Jennifer Vendemia, neurocientista da Universidade da Carolina do Sul em Columbia, explica a Avery Elizabeth Hurt para um artigo publicado em Science News for Students, a memória de trabalho acontece bem aqui. Trata-se de uma habilidade humana de manter algo em mente por apenas um momento, “como lembrar instruções sobre um jogo ou alguma outra tarefa específica. Mais ou menos como a área de transferência do seu computador interno”, diz Hurt.

A memória de trabalho nos permite armazenar memórias apenas enquanto você as usa, e muitas vezes trabalha de mãos dadas com o córtex pré-frontal, ocupado com tarefas como planejamento, resolução de problemas e autocontrole.

Os cientistas, acrescenta Hurt, descrevem esse conjunto de atividades cerebrais como tarefas de “função executiva”. No momento em que você ativa seu autocontrole para não deixar escapar a verdade, ou melhor, para encobrir sua mentira, sua memória de trabalho e o córtex pré-frontal entram em alta velocidade. Quando não há como voltar atrás é como se estivesse descendo ladeira abaixo e sem freios, toda aquela adrenalina concentrada em seu cérebro você vai entender que não deve ser bom.

A função executiva nos ajuda a lembrar de todos os detalhes de uma mentira para garantir que ela pareça crível e mantê-la verdadeira. 

Um estudo publicado em 2015 na Bélgica descobriu que o cérebro é mais lento e mais propenso a erros quando alterna entre mentir e dizer a verdade. Agora, a pesquisa de Vendemia também mostrou que a carga de trabalho mental de alguém será mais pesada e seu tempo de reação será maior quando estiver mentindo.

 

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação