The news is by your side.

Dois monstros da Revolução Francesa que foram consumidos pelo poder e perderam a cabeça no mesmo dia

 

“A maioria das artes produziu milagres, enquanto a arte do governo não produziu nada além de monstros.”

O homem que disse essas palavras era uma das maiores autoridades da história no assunto. Ele próprio era um monstro, tornado tal pela toxina que chamamos de “poder”. Nesta data de 1794 – 28 de julho – ele e um célebre coorte partiram desta terra para receber a recompensa que os esperava.

Seu nome era Louis Antoine de Saint-Just (1767-1794). Seu amigo íntimo e aliado político era Maximilien Robespierre. Juntos, eles organizaram O Terror da Revolução Francesa, um violento espasmo de repressão e massacre. Ambos subiram ao poder supremo, apenas para serem devorados pela mesma máquina para a qual despacharam tantos outros. Uma diferença fundamental entre Saint-Just e Robespierre, por um lado, e suas numerosas vítimas, por outro, foi que o primeiro obteve suas conclusões lúgubres.

Em um discurso em fevereiro de 1794, Robespierre (1758-1794) comparou o terror à virtude. O fim (uma república virtuosa e igualitária) justificava qualquer meio que o tornasse possível:

“Se a base do governo popular em tempos de paz é a virtude, a base do governo popular durante uma revolução é tanto a virtude quanto o terror; virtude, sem a qual o terror é desastroso; terror, sem o qual a virtude é impotente. O terror nada mais é do que uma justiça rápida, severa e inflexível; é, portanto, uma emanação da virtude; é menos um princípio em si do que uma consequência do princípio geral da democracia, aplicado às necessidades mais prementes do país.”

Para qualquer pessoa sã e decente, “virtude” não se aplica remotamente ao que os revolucionários estavam realizando. Mas note que mesmo os mais sangrentos e radicais usam terminologia positiva em defesa de seu trabalho maligno: “justiça”, “democracia”, “pátria”, “governo popular” e similares. Massacraram milhares de pessoas em nome da “liberté, égalité, fraternité”.

Em 5 de setembro de 1793, a Convenção Nacional (o Parlamento revolucionário da França) votou para declarar que “o terror é a ordem do dia” para proteger a Revolução de seus inimigos estrangeiros e domésticos. Três meses depois, ele investiu grande autoridade executiva no famoso Comitê de Segurança Pública.

De sua posição no Comitê, Robespierre transmitiu as decisões do grupo a Saint-Just, conhecido como “o Arcanjo do Terror”, que supervisionou os confiscos de propriedades, prisões em massa e execuções subsequentes. A retórica de gelar o sangue de Saint-Just é aterrorizante em si:

“É preciso punir não só os traidores, mas também os indiferentes; os que são passivos na república e não fazem nada por ela devem ser punidos… O navio da Revolução só pode aportar em um mar avermelhado por torrentes de sangue… Uma nação só se gera sobre pilhas de cadáveres.”

Em 10 de junho de 1794, a Convenção Nacional promulgou o  infame Prairia Act de 22. Estabelece uma longa lista de “inimigos públicos” que devem ser punidos com a morte com pouco recurso legal. Rios de sangue encharcaram as ruas de Paris pelas próximas seis semanas. Então, quando o caos atingiu seu apogeu, a Revolução de repente devorou ​​seus dois praticantes mais ardentes. Robespierre e Saint-Just foram presos em 27 de julho e guilhotinados no dia seguinte. O primeiro tinha 36 anos, o segundo apenas 26.

O exame minucioso desses dois homens revela um efeito surpreendente e corrosivo do poder político. Nada mais pode explicar a notável mudança em suas personalidades. Antes da Revolução, Robespierre era um oponente moderado da pena de morte. Com o poder supremo em suas mãos, ele se tornou um dos monstros sobre os quais Saint-Just escreveu.

A transformação de Saint-Just é ainda mais perturbadora, como apontam vários historiadores. Descrito como “livre e apaixonado” alguns anos antes, quase da noite para o dia ele se tornou “focado, tirânico e implacavelmente meticuloso”, “o gélido ideólogo da pureza republicana” e “tão inacessível como pedra a todas as paixões”. Abandonou a mulher que amava, destruiu seus amigos, abandonou sua afeição pela literatura e se metamorfoseou em um assassino com uma única causa: controle, tortura ou assassinato para “refazer” a sociedade.

Se você tivesse conhecido Robespierre ou Saint-Just em uma rua de Paris antes da Revolução que começou em 1789, provavelmente teria desfrutado de uma conversa agradável. Eu os descreveria como simpáticos, inteligentes, eloquentes e promissores. Da mesma forma, se ele tivesse se sentado na sala de aula ao lado de Adolf Hitler na Academia de Belas Artes de Viena em 1910, provavelmente nunca teria imaginado o que faria quando acumulasse o poder algumas décadas depois.

O filósofo do século 20 Eric Hoffer estudou fanáticos e o poder que eles anseiam. Ele acreditava que o poder traz o pior de qualquer mortal, que poucos podem se afastar dele ou se conter quando o obtêm. Escreveu,

“A corrupção inerente ao poder absoluto deriva do fato de que tal poder nunca está livre da tendência de fazer do homem uma coisa… leis da natureza. Portanto, o poder absoluto corrompe mesmo quando exercido para fins humanos. O déspota benevolente que se vê como o pastor do povo continua a exigir dos outros a submissão das ovelhas. A mancha inerente ao poder absoluto não é sua desumanidade, mas sua anti-humanidade.”

Não consigo pensar em nenhuma motivação mais tóxica do que o poder: o desejo de mandar nos outros, tomar seus bens, torná-los seu brinquedo e colocá-los em uma caixa, ou pior. Nunca devemos subestimar o que o poder pode fazer até mesmo com as melhores pessoas. Deveríamos estar correndo por nossas vidas quando até mesmo o melhor amigo afirma que faria coisas boas se tivesse o poder de fazê-las. Se a história nos ensina alguma coisa, é isto: o poder não deve ser concentrado nas mãos de ninguém ou de nenhum grupo.

Você acha que o perigo é apenas nacional, nunca local? Então você nunca teve que lidar com os maníacos por controle que muitas vezes assumem um comitê de zoneamento local ou conselho escolar.

Se o poder é um demônio, Robespierre e Saint-Just foram totalmente possuídos e deformados por ele. Quando o exorcista veio buscá-los, seu único remédio foi o desaparecimento.

Como saberemos se o mal que o poder promove está nos perseguindo? O que ele vai dizer sob sua máscara? Atrevo-me a dizer isto: ele dirá coisas como “Prepare a Corte!” Tentará silenciar opiniões divergentes. Para semear caos e confusão, ele redefinirá sua própria natureza ou atacará qualquer costume ou princípio antigo que esteja em seu caminho. Ele vai nos atrair com falsas promessas. Ele inventará vilões e vítimas e se passará por nosso salvador. Ela nos dirá que todos os tipos de coisas maravilhosas virão a nós se dermos ao Estado o poder de entregá-las.

Meu conselho: não caia na armadilha. Em vez disso, considere estas palavras de outro francês chamado Frédéric Bastiat, que sabia como o poder malévolo pode ser:

“Sejamos responsáveis ​​por nós mesmos. Não olhe para o Estado para nada além da lei e da ordem. Não conte com ele para nenhuma riqueza, nenhuma iluminação. Não vamos torná-lo mais responsável por nossas falhas, nossa negligência, nossa falta de previsão. Contemos apenas conosco mesmos para nossa subsistência, nosso progresso físico, intelectual e moral.”

Talvez seja pedir demais, mas quando a alternativa é a tirania, a advertência de Bastiat deve pelo menos focalizar a mente.

 

Lawrence W. Reed é presidente emérito da FEE e embaixador global da liberdade da Ron Manners. Ele é autor do livro de 2020, Was Jesus a Socialist?

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação