The news is by your side.

Repressão em Cuba tenta silenciar os protestos do 15-N

 

O regime cubano tentou erradicar os protestos convocados pelos dissidentes em diferentes partes da ilha para exigir a democracia, a liberdade de expressão e a libertação dos presos políticos.

No domingo, o dramaturgo Yúnior García, líder do grupo dissidente Grupo Archipiélago, promotor das “Marchas pela Mudança”, viu como agentes da segurança do Estado e apoiadores do governo o impediram de sair de sua casa no bairro La Coronela, na periferia empobrecida de Havana.

Trancado em sua casa, o ativista viu como seus planos de marchar com uma flor na mão para pedir ao regime cubano que dialogasse com os dissidentes foram abortados pela intolerância oficial. A imagem de García debruçado sobre uma janela gradeada ao lado de uma placa na qual havia escrito “minha casa está bloqueada” tornou-se uma metáfora para a situação dos direitos civis na ilha e a onda de prisões e intimidações que culminou quando a ditadura tentou sufocar a última tentativa da dissidência de abrir uma brecha para a liberdade em Cuba.

Os agentes impediram que os jornalistas presentes se aproximassem da casa de García . Em declarações ao Miami Herald, Garcia denunciou que sua casa estava cercada: “A qualquer momento eles podem derrubar a porta”.

Ele não foi o único que sofreu esse destino. José Miguel Vivanco, da ONG Human Rights Watch, qualificou de “desoladores” os relatos que chegaram daquele dia em Cuba. O regime mobilizou as forças de segurança em grande escala, muitos jornalistas e críticos estão sitiados em suas casas, alguns foram presos”. Vivanco não tem dúvidas. “A intenção é clara: suprimir qualquer tentativa de protesto.”

Alguns foram até detidos, como Berta Soler, líder do Ladies in White e seu marido Ángel Moya, segundo grupos de oposição. O jornalista independente Abraham Jiménez Enoa afirmou nas redes sociais que estava detido em casa e não poderia sair para cobrir os protestos. Seu colega Yoani Sánchez relatou que seu acesso à Internet foi interrompido.

O regime está obcecado em evitar protestos semelhantes aos de 11 de julho e quer impor o silêncio a todo custo, como deixou claro no sábado quando retirou as credenciais de jornalistas da agência Efe em Havana . As denúncias do governo espanhol e da União Européia serviram apenas para recuperar duas dessas credenciais, em um novo exemplo da obsessão da ditadura em controlar as informações que circulam na ilha. Depois das manifestações de 11 de julho, ele não hesitou em bloquear todo o sinal de internet no país e, desta vez, fez questão de amordaçar e intimidar os descontentes desde o momento em que recebeu o pedido de autorização para as marchas.

Dezenas de ativistas receberam visitas e ameaças de serviços de segurança e grupos pró-governo nas últimas semanas. A casa de García acordou um dia coberta de excrementos e cadáveres de ratos , e figuras da oposição, como Guillermo Fariñas, foram presas novamente.

Nem o regime de Raúl Castro e Miguel Díaz-Canel quer que ninguém saiba o que está acontecendo em Cuba. Na segunda-feira, ele negou a permissão de voo à delegação formada pela dissidente cubana Rosa María Payá e pelos deputados Carlo Fidanza, dos Irmãos da Itália, e Hermann Tertsch, da Vox, que pretendia viajar de Fort Lauderdale, na Flórida, para seguir o dia dos protestos na ilha.

Se a implantação da segurança em Cuba pode ter impedido a repetição de imagens como as de julho, que dispararam todos os alarmes da nomenclatura de Havana , os organizadores desta nova convocação se declararam satisfeitos com o resultado deste novo dia, tendo contribuído para o regime “tirar a máscara e se mostrar pelo que é”, segundo um ativista que preferiu o anonimato por motivos de segurança.

Fora de Cuba, abundaram as manifestações de solidariedade com os dissidentes e com os cubanos que exigem democracia e prosperidade. O artista porto-riquenho Don Omar, produtor da canção de protesto “Patria y Vida” , lançou no Instagram uma mensagem de apoio aos seus “irmãos cubanos” que posteriormente foi retirada da rede social. Da Espanha, o cantor e compositor Pablo Milanés dedicou a sua canção “Flores del Futuro” a Yúnior García” e a todos os cubanos que representam e que lutam dentro e fora de Cuba”.

E em até 120 cidades ao redor do mundo, emigrados cubanos e grupos de direitos humanos realizaram diversos atos de protesto contra a ditadura. A maior delas aconteceu em Miami, capital do exílio cubano, onde a Assembleia da Resistência Cubana organizou uma marcha que terminou na Freedom Tower, o edifício histórico no centro da cidade que se tornou um improvisado centro de recepção para os cubanos que chegavam.na crise de vigas dos anos 1980. Muitos deles ainda sonham em um dia retornar a uma Cuba livre.

Embora o regime, mais uma vez, tenha se mostrado disposto a fazer de tudo para impedir que esse sonho se concretize, grupos dissidentes veem no desdobramento repressivo dos últimos dias a prova de sua fragilidade e percebem um nervosismo sem precedentes em uma liderança imersa em uma transição de resultados incertos e presa em sua incapacidade de reformar uma economia arruinada por décadas de intervencionismo, corrupção e incompetência.

 

La Razón

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação