The news is by your side.

EUA querem boicotar os Jogos Olímpicos de Inverno na China

 

O presidente Joe Biden disse nessa quinta-feira (18) que está considerando um boicote diplomático às Olimpíadas de Inverno de 2022, fazendo uma repreensão contundente à China por seus alegados abusos aos direitos humanos.

É “algo que estamos considerando”, disse Biden, quando questionado sobre um boicote diplomático dos EUA aos Jogos, marcado para Pequim em fevereiro.

O comentário de Biden veio poucos dias depois que ele e o presidente chinês Xi Jinping realizaram uma cúpula virtual com o objetivo de reduzir as tensões entre os dois países, que se intensificaram por causa da pandemia COVID-19, das políticas comerciais, de Taiwan e outros pontos de conflito.

Se Biden lançar um boicote diplomático, isso quase certamente perturbará o relacionamento EUA-China de novo, e poderá aumentar a pressão sobre outros líderes mundiais para também boicotarem os Jogos.

Os defensores dos direitos humanos passaram meses fazendo lobby na Casa Branca para pedir um boicote em grande escala dos Estados Unidos aos Jogos de 2022.

A decisão de não enviar uma delegação oficial americana aos Jogos ficaria aquém desse passo dramático, mas ainda representaria um grande desprezo. Os EUA tradicionalmente enviam uma lista de dignitários de alto nível, geralmente liderados pelo vice-presidente em exercício ou pela primeira-dama, para comparecer aos eventos olímpicos – incluindo as cerimônias de abertura e encerramento. A primeira-dama Jill Biden liderou a delegação dos EUA nos mais recentes Jogos Olímpicos de Verão em Tóquio.

O governo de Xi espera usar os Jogos para melhorar a reputação destruída da China no cenário mundial, esperando milhões de telespectadores.

Biden não tem o poder de impor um boicote total aos EUA – tal decisão cabe exclusivamente ao Comitê Olímpico e Paraolímpico dos EUA, que se recusou a aceitar a ideia.

“Acreditamos fortemente que os governos do mundo, incluindo o nosso, e as respectivas equipes diplomáticas e especialistas devem conduzir a conversa sobre as relações internacionais”, disse a executiva-chefe do USOPC, Sarah Hirshland, no mês passado.

Mas muitos grupos de direitos humanos e alguns legisladores do Congresso querem que Biden use seu megafone político para se apoiar no comitê olímpico, argumentando que um boicote liderado pelos EUA enviaria um sinal forte à China, bem como a outros países autoritários, sobre o compromisso dos Estados Unidos com liberdades democráticas.

Os próprios assessores de Biden disseram que a China está se envolvendo em “genocídio” contra os uigures, um grupo étnico predominantemente muçulmano na região chinesa de Xinjiang. O governo de Xi deteve mais de 1 milhão de uigures e outras minorias étnicas em “reeducação” e campos de trabalho forçado em Xinjiang.

“Temos sérias preocupações sobre os abusos dos direitos humanos que vimos em Xinjiang”, disse o secretário de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, durante uma coletiva de imprensa nessa quinta-feira (18).

Psaki disse que a consideração de Biden sobre um boicote diplomático “não diz nada” sobre seu encontro na segunda-feira com Xi, acrescentando que o assunto não foi abordado durante a cúpula virtual de três horas e meia. A Casa Branca descreveu essa reunião como respeitosa e focada em garantir que a competição tensa entre as duas potências mundiais não leve a um conflito.

“Mas existem áreas em que temos preocupações”, disse Psaki, destacando o tratamento dado pela China aos uigures. “Certamente há uma série de fatores quando olhamos como seria nossa presença”.

Psaki não quis entrar em detalhes sobre como poderia ser um boicote diplomático.

Washington também expressou alarme sobre a repressão da China em Hong Kong, onde um movimento pró-democracia foi reprimido, e as ameaças de Pequim contra a independência de Taiwan, que a vê como uma província separatista.

As autoridades chinesas rejeitaram as críticas dos EUA de que o estrangeiro se intromete nos assuntos internos. O tratamento dado pelos uigures pela China é “sobre terrorismo e separatismo, não sobre direitos humanos”, disse Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, no início deste ano.

Wang alertou contra a ideia de um boicote dos EUA às Olimpíadas, dizendo que isso politizaria os esportes e iria contra o espírito da Carta Olímpica.

A deliberação de Biden sobre a autorização de um boicote diplomático às Olimpíadas ocorre enquanto Pequim também está sob escrutínio global por lidar com o surto inicial de COVID-19, que surgiu pela primeira vez em Wuhan, bem como por suas práticas econômicas e diplomáticas de linha dura.

Atletas americanos já boicotaram os Jogos Olímpicos de Verão de 1980 em Moscou sob pressão do presidente Jimmy Carter, que viu o boicote como uma sanção depois que a União Soviética invadiu o Afeganistão. Dezenas de outros países juntaram-se aos EUA em seu boicote, e a União Soviética respondeu com seu próprio boicote aos Jogos de Verão de 1984 em Los Angeles.

Muitos atletas americanos ficaram furiosos com a decisão de boicote, e um grupo deles até entrou com uma ação contra o USOPC buscando derrubá-la.

Em 2014, o então presidente Barack Obama se recusou a enviar o vice-presidente, a primeira-dama ou qualquer um de seus secretários de gabinete aos Jogos de Sochi. Em vez disso, a delegação dos EUA incluiu dois atletas declaradamente gays , uma aparente repreensão às leis anti-gays da Rússia.

Quando ele era vice-presidente, Biden e sua esposa Jill lideraram a delegação dos EUA no fim de semana de abertura dos Jogos de Inverno de 2010 no Canadá.

Durante a administração de Trump, o então vice-presidente Mike Pence liderou a delegação dos EUA para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 na Coreia do Sul, onde provocou reação ao se recusar a se levantar quando membros da equipe unificada coreana foram apresentados na cerimônia de abertura.

 

USA Today

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação