The news is by your side.

Juventus é investigada por fraudes e tem documentos confiscados

Ministério Público está investigando o clube italiano por crimes como falsificação de documentos e emissão de notas fiscais falsas para operações inexistentes. Quatro dos casos investigados envolvem o FC Barcelona

 

A sede da Juventus foi revistada por ordem do Ministério Público da cidade de Torino (Norte), que está investigando a gestão do clube para a compra de jogadores de futebol e outras operações pouco claras nos últimos três anos.

A Guarda Financeira (polícia tributária) confirmou em comunicado que na noite passada seus agentes acessaram a sede da Juventus com o objetivo de recolher a documentação relativa às contas do período 2019-2021.

Especificamente, o Ministério Público ordenou a coleta de informações sobre a venda de jogadores e sobre a formação de orçamentos. A investigação aberta pelo Ministério Público de Torino investiga a possibilidade de que a direção da Juventus tenha cometido crimes como falsificação de documentos e emissão de faturas falsas em operações inexistentes.

A atenção dos promotores está voltada para a transferência, transferência ou venda de jogadores e os benefícios de alguns agentes intermediários. Os investigados são os diretores das áreas comercial, financeira e gestão desportiva. A operação começou na tarde de sexta-feira após o fechamento da Bolsa de Valores de Milão para não atrapalhar a listagem do clube “bianconero”.

Agnelli, Nedved e Paratici, sob a lupa

Isso faz parte de uma investigação chamada ‘Prisma’, que teve início em maio de 2021 e é liderada por uma equipe de promotores de crimes econômicos, formada por Ciro Santoriello, Mario Bendoni e Marco Gianoglio.

Entre os investigados, segundo a mídia, estão o presidente Andrea Agnelli, seu vice-presidente, Pavel Nedved, o ex-chefe da seção de esportes, Fabio Paratici, o atual chefe da área corporativa e financeira, Stefano Cerrato, seu antecessor, Stefano Bertola e o ex-CFO Marco Re.

O Barça envolvido

Entre as operações consideradas “suspeitas”, está a de 2020 que viu Arthur Melo, então volante do Barcelona, ir para a Juventus por 72 milhões de euros e o bósnio Miralem Pjanic fazer o caminho contrário, por 60 milhões de euros.

Entre os acordos celebrados no âmbito desta operação, o Barcelona pagou 8 milhões de euros pelo brasileiro Matheus Pereira, que agora joga pelo Barcelona, e a Juventus pagou 8,2 milhões de euros para assumir os serviços do espanhol, nascido na Venezuela, Alejandro Marqués .

Essas vendas permitiram ao clube de Turim obter ganhos de capital de cerca de 50 milhões de euros naquela sessão de mercado, dizem fontes da investigação.

 

La Razón

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação