The news is by your side.

Ataques de Israel na Síria diminuíram o contrabando de armas do Irã

O regime iraniano não pode fornecer educação ou água para seus cidadãos, mas continua a investir grandes somas em seu projeto nuclear

Da Redação

 

A contínua campanha de guerra entre guerras de Israel levou a uma diminuição no contrabando de armas do Irã para a Síria, de acordo com o chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel (FDI), tenente-general Aviv Kohavi.

“O aumento no escopo das operações no ano passado levou a uma interrupção significativa de todas as rotas de contrabando para várias arenas por nossos inimigos”, disse Kohavi ao Jerusalém Post.

Israel tem alertado repetidamente sobre as ambições nucleares do Irã, bem como as aspirações de hegemonia regional. Ele admitiu centenas de ataques aéreos como parte de sua campanha de “guerra entre guerras” (conhecida como MABAM em hebraico) para evitar a transferência de armas avançadas para o Hezbollah no Líbano e o entrincheiramento de suas forças na Síria, onde poderiam facilmente agir contra Israel.

Em uma tentativa de deter a atividade regional hostil do Irã, Israel aumentou suas operações na Síria. O disparo de mísseis antiaéreos pelas forças do regime também aumentou.

Os militares acreditam que o Irã, a síria e o Hezbollah estão impedidos de guerrear contra Israel, já que raramente retaliam contra os ataques israelenses. Quando o fazem, tendem a atingir bases americanas.

 Um bombeiro apaga as chamas depois que a mídia estatal síria relatou um suposto ataque de míssil israelense em uma área de armazenamento de contêineres, no porto sírio de Latakia, Síria (crédito: SANA / HANDOUT VIA REUTERS)

O último suposto ataque israelense na manhã dessa terça-feira teve como alvo o porto de Latakia e destruiu uma quantidade enorme de armamento avançado e estratégico.

No entanto, os ataques não se limitaram à Síria. Os corredores aéreos, terrestres e marítimos do Irã não funcionaram durante 70% de 2021devido às operações realizadas como parte do MABAM.

Kohavi disse no ano passado que o aumento nas operações, tanto abertas quanto clandestinas, levou a uma desaceleração do entrincheiramento do Irã na Síria.

“Mas ainda temos um longo caminho a percorrer nossos objetivos nesta arena”, disse ele.

Com o risco de uma guerra regional estourar, e como a campanha de Israel contra o Irã na Síria está alcançando resultados satisfatórios, o MABAM continuará no próximo ano, disseram oficiais militares.

O Ministro da Defesa, Benny Gantz, durante visita à base aérea Ramat David juntamente com o Comandante da Força Aérea de Israel, General Amikam Norkin e o chefe da Divisão de Estratégia, General Tal Kalman, pediu aos países da região que impedissem o Irã de prejudicar sua soberania.

O FDI teve um ano com “ação operacional significativa”, disse Gantz, acrescentando que os militares lidaram com ameaças em várias frentes, “todas elas alimentadas pelo Irã, que é o maior inimigo dos cidadãos de Israel e do povo do Oriente Médio.

“O regime iraniano não pode fornecer educação ou água para seus cidadãos, mas continua a investir grandes somas em seu projeto nuclear e seus representantes. O Irã está minando a governança na Síria, Líbano, Iêmen e outros países, e pretende incendiar a região. Apelo aos países da região para impedirem o Irã de prejudicar sua soberania e seus residentes.”

Israel não permitirá que o Irã envie armas que quebrem o equilíbrio aos seus representantes para ameaçar cidadãos israelenses, disse ele.

“As FDI continuarão a operar em todos os lugares – no ar, na terra e no mar – para garantir a segurança do Estado de Israel”, disse Gantz.

Além da política de Israel de remover o Irã da Síria, o regime do presidente Bashar Assad tem trabalhado com os russos na tentativa de expulsar todas as forças estrangeiras da Síria.

Depois que Assad recuperou o controle de 60% do país, o governo vem tentando se reafirmar como soberano e expulsar o Irã e seus representantes, incluindo o Hezbollah e outras milícias xiitas. Enquanto Assad trabalha com a Rússia, Israel continuará aproveitando a situação para expulsar o Irã.

Embora o aliado mais forte de Israel continue a ser os Estados Unidos, as FDI continuam a trabalhar com a Rússia, um influenciador chave no Oriente Médio e especialmente na Síria, onde tem influência sobre Assad.
Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação