The news is by your side.

Polícia invade site de notícias e prende jornalistas em Hong Kong

Os membros do jornal digital são acusados de conspiração contra a autoridade chinesa

 

O site de notícias pró-democracia Stand News, em Hong Kong, foi fechado nesta quarta-feira (29), segundo a agência de notícias Associated Press.

A polícia invadiu o escritório do site no distrito de Kwun Tong, região semi-autônoma chinesa, no início do dia e prendeu seis pessoas, entre jornalistas, editores e membros do conselho. Também foram feitas buscas nas casas dos detidos. Mais de 200 policiais estiveram envolvidos na busca.

Os seis foram presos por meio de um decreto-lei criminal acusados de sedição, uma conspiração para veicular publicações sediciosas, insurreição contra a autoridade estabelecida. Os condenados podem pegar até dois anos de prisão e multa de até US$ 500.

As autoridades de Hong Kong têm recorrido às chamadas leis de sedição do território, da época em que pertencia ao Reino Unido, para prender e intimidar ativistas e críticos do governo.

Stand News informou que o site e a mídia social não estão mais sendo atualizados e serão retirados do ar. Todos os funcionários foram demitidos.

O veículo foi uma das últimas vozes abertamente críticas em Hong Kong depois do encerramento das atividades do jornal Apple Daily, que fechou depois que seu editor, Jimmy Lai, e os principais editores foram presos e seus bens congelados, acusados de conluio com um país estrangeiro.

Repercussão

A Associação de Jornalistas pediu ao governo da cidade que proteja a liberdade de imprensa de acordo com a miniconstituição de Hong Kong, a Lei Básica.

“A Associação de Jornalistas de Hong Kong está profundamente preocupada com o fato de a polícia ter repetidamente prendido membros importantes da mídia e revistado escritórios de organizações de notícias contendo grandes quantidades de materiais jornalísticos em um ano”, disse a agência em um comunicado.

Benedict Rogers, cofundador e CEO da organização não governamental Hong Kong Watch, disse que as prisões são “nada menos que um ataque total à liberdade de imprensa em Hong Kong”.

“Quando uma imprensa livre garantida pela Lei Básica de Hong Kong é rotulada de ‘sedição’, isso é um símbolo da velocidade com que esta cidade, outrora grande e aberta, tornou-se pouco mais que um estado policial”, disse ele.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação