The news is by your side.

Nenhuma CPI em andamento na ALMT teve relatório concluído em 2021

Da Redação

Nenhuma das três CPIs em andamento na Assembleia Legislativa foi concluída em 2021 e devem se arrastar até o primeiro semestre deste ano, antes do início do período eleitoral. A CPI da Energisa foi prorrogada até março, a CPI do MT Prev que se arrasta desde 2019 deve ser concluída até julho e a CPI da Renúncia Fiscal deve entregar o relatório final em maio.

A demora na entrega dos relatórios prejudica a CPI do Gás, proposta pelo deputado estadual Gilberto Cattani (PSL), que terá que esperar a conclusão de algum dos três trabalhos em andamento para instalar a investigação que visa apurar o porquê do preço do gás ser tão alto em Mato Grosso. Apenas três CPIs podem tramitar ao mesmo tempo na Assembleia.

A CPI da Energisa depende também do relatório da Operação Tudo às Claras, e os órgãos convidados a trabalhar em conjunto com a CPI como a Delegacia do Consumidor, Ager, Ipem e Procon não haviam concluído o relatório final da pesquisa. A CPI apura o aumento abusivo nas contas de energia elétrica nos municípios mato-grossenses, bem como o enxugamento nos quadros de funcionários e a má prestação dos serviços concessionados.

Em relação a CPI do MT Prev a última reunião foi no fim de setembro, quando o presidente da autarquia, Elliton Oliveira de Souza, foi ouvido. Na época ele informou que déficit referente às aposentadorias de civis no ano de 2020 foi de aproximadamente R$ 600 milhões, enquanto de militares ficou em cerca de R$ 400 milhões.

Sobre a aposentadoria de civis, houve redução do déficit se comparado com o ano de 2019, quando foi registrado déficit de R$ 1,3 bilhão. O resultado é consequência, principalmente, do aumento da alíquota cobrada de servidores ativos e da tributação dos inativos em 14%.

A Lei Complementar 700/2021 fixou a isenção da cobrança da alíquota de 14% até o teto do INSS – que é R$ 6,4 mil – para aposentados e pensionistas portadores de doenças incapacitantes. Já os servidores que ganham até R$ 9 mil passaram a ter isenção sobre R$ 3,3 mil – equivalente a três salários mínimos – incidindo a alíquota de 14% sobre o montante remanescente.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal, que investiga indícios de sonegação de impostos e renúncias fiscais indevidas em Mato Grosso, concluiu o relatório do setor de mineração.

No mês de outubro o chefe do Contencioso Administrativo Tributário e presidente do Conselho de Contribuintes da Secretaria de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz/MT), Siguinei Suchi foi ouvido pela CPI.

Mato Grosso tem aproximadamente 120 mil processos aguardando julgamento e que o valor estimado do contencioso chega a 10 bilhões. Os litígios, em sua grande maioria, são de empresas dispõe de benefício fiscal e os processos geralmente consistem em divergências de interpretações de lei. Cerca de 80% dos processos foram protocolados entre 2012 e 2016.

 

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação